terça-feira, 31 de março de 2009

Al Gore

No dia 31 de Março de 1948, nasce no Estados Unido da América, Al Gore.

Da Infopédia:

Político e activista ambiental norte-americano, Albert Arnold Gore Jr. nasceu a 31 de Março de 1948, em Washington, na altura em que o seu pai estava no décimo ano na Câmara dos Representantes. Passou a juventude no Tennessee e, após se ter licenciado em Harvard, em 1969, viajou para o Vietname onde, apesar de ter contestado a guerra, trabalhou durante cinco meses como repórter militar. Foi membro da Câmara dos Representantes de 1976 a 1984 e do Senado de 1984 a 1992. Nesse ano foi eleito para a vice-presidência dos EUA, com Bill Clinton como presidente. Ambos foram reeleitos em 1996. Em 2000 candidatou-se às eleições presidenciais mas perdeu para George W. Bush. As suas mais conhecidas preocupações são a defesa do ambiente e o desarmamento. Em 2006, Davis Guggenheim realizou o documentário ambientalista An Inconvenient Truth (Uma Verdade Inconveniente), que se revelou um êxito no Festival de Cinema de Sundance e, para alguns críticos, uma referência no género. Neste filme, o espectador acompanha o esforço e a luta de Al Gore, a quem cabe o papel principal, para travar o aquecimento global e alertar para o problema, sensibilizando a comunidade mundial e evitando tratar a questão como se de política se tratasse, mas antes considerando-a como um desafio para a Humanidade. An Inconvenient Truth viria, aliás, a ganhar os Óscares de Melhor Documentário e Melhor Canção Original na noite de atribuição destes galardões, em 2007. Nesse mesmo ano, foi galardoado, juntamente com o Painel Intergovernamental para Mudanças Climáticas (IPCC), com o Prémio Nobel da Paz, pelos esforços empreendidos na luta pela preservação do meio ambiente e contra o aquecimento global.

Al Gore. In Infopédia [Em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2009. [Consult. 2009-03-27]

segunda-feira, 30 de março de 2009

Roma

Roma está óptima. O tempo tem ajudado, contra todas as expectativas.

Até já fui ver uma Traviata numa Igreja Anglicana.

As pernas começam a doer!

Hoje é dia de trabalho.

Vincent Van Gogh

No dia 30 de Março de 1853, nascia Vincent Van Gogh.

Da Infopédia:

Pintor holandês pós-impressionista, nasceu a 30 de Março de 1853. Como Gauguin, é um apóstolo retardatário da pintura. Abandonou a sua profissão em 1876 para se dedicar como pregador laico aos mineiros de Borinage, no sul da Bélgica. No Verão de 1880, decidiu consagrar-se à pintura com a mesma paixão incontrolada e a mesma sede de absoluto com que quisera servir as classes desfavorecidas. A Arte, a Literatura e a Religião, concebia-as como várias facetas de um mesmo mistério. Deixou a descrição das suas buscas, métodos e intenções em inúmeras cartas escritas sobretudo ao irmão, Theo. A sua carreira não iria durar mais do que uma década. Dois anos em Paris, de Fevereiro de 1886 a Fevereiro de 1888, transformaram por completo as suas concepções e a sua pintura. Nada o teria preparado para a visão dos quadros impressionistas, as novas técnicas libertadoras, a explosão das cores. A paixão pela cor, assim como um temperamento marginal, levou-o até Arles, na Provença. Os Girassóis, A Ponte Levadiça (1888), o pomar de Pessegueiros em Flor (1889) são os temas deste período. Os Ciprestes e Corvos sobre a Seara pertencem à última fase, em que o equilíbrio emocional do pintor era precário. No dia 29 de Julho de 1890, Van Gogh suicidou-se com um tiro. Van Gogh desenvolveu uma pintura caracterizada por uma intensidade emocional extrema. Mais do que pintar o que via, quis expressar o que sentia. E se o mundo do Impressionismo se pode revelar em pequenos pontos de luz, em Van Gogh esses pontos de luz tornam-se energia pura. Os objectos são distorcidos, as proporções falseadas, e a própria textura torna-se um elemento da expressão emocional do quadro. As cores são utilizadas no seu estado puro e aplicadas com a espátula ou o pincel, criando um relevo, um padrão, um ritmo insistente. A sua arte inicia o Expressionismo, valorizando o que é significativo em detrimento dos padrões de beleza clássicos, de maneira a que a pintura seja mais "verdadeira do que a própria verdade", nos dizeres do próprio artista.

Vincent Van Gogh. In Infopédia [Em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2009. [Consult. 2009-03-27]

domingo, 29 de março de 2009

Fernando Tordo

No dia 29 de Março de 1948, nasce Fernando Tordo.

Da Infopédia:

Fernando Tordo nasceu em Lisboa, a 29 de Março de 1948. Os primeiros passos no mundo da música levaram-no a participar no grupo pop Deltons, com apenas 18 anos. O estilo da banda enquadrava-se no espírito reinante da época, em que a sonoridade dos Beatles era a influência principal de diversos projectos musicais, de entre os quais os Sheiks, que Tordo veio a integrar em 1967, substituindo Carlos Mendes. Ainda nos Sheiks, Fernando Tordo estreou-se no Festival RTP da Canção, em 1968, sem grande sucesso. No ano seguinte, já a solo, apresentou a concurso o tema "Cantiga", que seria o tema título do seu primeiro EP. Continuou a participar nas edições seguintes do Festival, recebeu o Prémio Compositor da Casa da Imprensa (1970) e, em 1971, atingiu o 3.º lugar com a canção "Cavalo à Solta", tema que seria integrado no seu primeiro longa duração (LP), editado em 1972. Este álbum é o primeiro que produz em estreita colaboração com Ary dos Santos. A sua insistência no Festival da RTP acabou por ser premiada com a primeira vitória, no ano de 1973, com "Tourada", uma crítica aberta ao regime, com a ironia mordaz de Ary dos Santos na letra. Apesar da polémica, Fernando Tordo representou Portugal no Festival da Eurovisão desse ano. Em 1974, estreou-se no teatro, com Ivone Silva, Tonicha e Herman José, entre outros, na peça "Uma no Cravo, outra na Ditadura" de César Oliveira e Ary dos Santos, para a qual gravou o tema "O Emprego". Depois do 25 de Abril, Fernando Tordo não escondeu a sua militância no Partido Comunista Português e participou na Festa do Avante de 1976. Nesse ano, voltou a vencer o Festival RTP, ao lado de Paulo Carvalho, Luísa Basto, Ana Bola, Edmundo Silva e Fernando Piçarra, no grupo Os Amigos e com a canção "Portugal no Coração". O regresso aos registos discográficos aconteceu ainda no decorrer de 1976. Com Paulo Carvalho, gravou o álbum Estamos Vivos. Dois anos volvidos, juntou-se-lhes Carlos Mendes e os três fazem uma retrospectiva da carreira dos Sheiks, 10 anos depois da separação da banda. O disco chama-se Dez Anos de Cantigas. Em 1980, editou o último trabalho em colaboração com Ary dos Santos, intitulado Cantigas Cruzadas. Este álbum assinalou o fim de uma ligação com 14 anos. A partir daqui, Fernando Tordo assinou, para além das músicas, as letras dos seus trabalhos. Adeus Tristeza (1983) é o primeiro disco com letras de Tordo e também um dos de maior sucesso da sua carreira, elevando a popularidade do autor a níveis não atingidos antes. Ainda durante esse ano, mudou-se para os Açores, para a casa do seu amigo Decq Mota. A estadia no arquipélago trouxe-lhe a oportunidade de conhecer o maestro de Jacques Brel, François Rauber, com quem viria a colaborar nos dois trabalhos seguintes, Anticiclone (1984) e Ilha de Canto (1986), ambos apresentados ao vivo na Aula Magna, em Lisboa. No ano de 1988, editou, com José Calvário, um disco de homenagem póstuma a Ary dos Santos, falecido quatro anos antes. O regresso aos palcos aconteceu em 1989, de novo na companhia de Paulo Carvalho e Carlos Mendes, numa tournée de espectáculos de grande sucesso, que deu título à edição em disco de Só Nós Três. Seguiu-se um período de afastamento, até novo retorno às actuações ao vivo, dando suporte a duas edições discográficas gravadas com o apoio da Youth National Jazz Orchestra, de Londres. Assim, as gravações de Só Ficou o Amor por Ti (1994) e Lisboa de Feira(1995) estabeleceram uma aproximação à sonoridade jazz, sem renunciarem às raízes da composição popular ligeira do autor. Após outro interregno prolongado, Fernando Tordo voltou ao estúdio, gravou novo trabalho, ainda mais virado para o público jazz e baptizou-o recorrendo a um aforismo de Galileu que bem pode caracterizar a carreira do autor, marcada pela constante revitalização e pela consistência : E no Entanto Ela Move-se (2002).

Fernando Tordo. In Infopédia [Em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2009. [Consult. 2009-03-27]

sábado, 28 de março de 2009

Mário Vargas Llosa

No dia 28 de Março de 1936 nascia no Perú, o escritor Mário Vargas Llosa.

Da Infopédia:

Escritor peruano, nasceu em 28 de Março de 1936 em Arequipa, no Peru. O seu empenho em relação a mudanças sociais é evidente nos seus romances, peças e ensaios. O escritor pertence à escola do realismo mágico e faz parte da explosão de talentos dos anos 60 da literatura latino-americana. Na sua carreira política começou por ser comunista, mas virou-se para a direita. Em 1990 candidatou-se à presidência da República do Peru, sendo vencido pelo candidato Alberto Fugimori. Tem sido criticado por estar à margem da comunidade dos índios Quechua. Vargas Llosa foi educado em Cochabamba, na Bolívia, onde o seu avô era cônsul do Peru. Entrou para a escola militar de Lima em 1950. Depois da sua primeira publicação, em 1952, de La huida del Inca , um peça em três actos, as suas histórias são editadas nas revistas literárias peruanas Cuadernos de composición (1956-57) e Literatura (1958-59). Trabalhou como jornalista e locutor e frequentou a Universidade de Madrid. Em 1959 mudou-se para Paris, onde viveu até 1966. O primeiro romance de Vargas Llosa, La ciudad y los perros , de 1963, foi muito bem recebido, e está traduzido em mais de uma dúzia de línguas. A acção passa-se no Colégio Militar de Leoncio Prado e descreve a luta dos adolescentes para sobreviver a acontecimentos violentos e hostis. A corrupção na escola reflecte os males que afectam o Peru. O romance La casa verde (1966) situa-se na selva peruana e combina os elementos míticos, populares e heróicos para apreender os elementos sórdidos, trágicos e a realidade fragmentada dos seus caracteres. Los cachorros (1967) é um retrato psicanalítico de um adolescente que foi acidentalmente castrado. Conversación en la Catedral (1969) é uma história passada na altura do regime de Manuel Odria (1948-56). O romance Pantaleón y las visitadoras (1973), constitui uma sátira acerca do regime militar e do fanatismo religioso. La tía Julia y el escribidor (1977) combina duas narrativas com pontos de vista diferentes, sendo uma obra semi-autobiográfica. Vargas Llosa escreveu vários estudos críticos sobre escritores. Publicou um estudo sobre o ficcionismo de Gabriel García Márquez intitulado, García Márquez: Historia de deicidio (1971), outro estudo sobre Gustave Flaubert em La orgía perpetua: Flaubert y "Madame Bovary" (1975) e ainda um estudo dos trabalhos de Jean-Paul Sartre e Albert Camus, intitulado Entre Sartre e Camus (1981). Depois de viver três anos em Londres, passou a escrever na residência da Universidade estatal de Washington, em 1969. Em 1970 estabeleceu-se em Barcelona. Em 1974 regressou a Lima, leccionando e dando conferências por todo o mundo. Publicou em 1978 uma colecção de ensaios críticos. Em 1982, escreveu La guerra del fin del mundo , uma reflexão sobre os conflitos políticos do Brasil no século XIX. Este livro tornou-se um "best-seller" nos países de expressão espanhola. Em 1983 escreveu a peça La Señorita de Tacna que foi representada em inglês na cidade de Nova Iorque. A peça La Chunga (1986) também foi alvo de críticas favoráveis.

Mário Vargas Llosa. In Infopédia [Em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2009. [Consult. 2009-03-27]

sexta-feira, 27 de março de 2009

Notícia em Destaque -«O que pode a UE fazer por si?»

Lê-se no IOL Portugal Diário:

Cinquenta cidadãos portugueses seleccionados aleatoriamente de uma amostra representativa vão reunir-se durante o fim-de-semana em Lisboa para apresentar uma proposta portuguesa que considerem capaz de melhorar o futuro da União Europeia, noticia a Lusa.

Nesta consulta presencial em Lisboa pretende-se que os 50 cidadãos portugueses procurem responder à questão «O que pode a UE fazer para moldar o seu futuro económico e social num mundo globalizado?».

Os resultados dos debates destes 50 cidadãos portugueses serão sintetizados e traduzidos em dez recomendações finais que constituirão a proposta portuguesa e serão apresentadas a três eurodeputados portugueses.

Esta consulta presencial em Portugal faz parte da Consulta aos Cidadãos Europeus 2009 (CCE 2009), que se está a realizar nos 27 Estados membros da UE, e que culminará na apresentação de uma lista de 15 recomendações europeias à Comissária europeia Margot Wallstrom e ao presidente do Parlamento europeu, Hans-Gert Poettering.

A lista de 15 recomendações europeias resultará da votação pelos cidadãos seleccionados em todos os 27 Estados membros da UE nas 270 propostas apresentadas por cada um dos 27, que serão colocadas «online».

Além desta consulta presencial em Portugal, os 50 cidadãos portugueses também participarão numa consulta presencial europeia em Bruxelas a 11 de Maio com cidadãos dos outros 26 Estados membros da UE.

A CCE 2009 também inclui um fórum «online» para todos os cidadãos da UE poderem fazer propostas de políticas concretas a serem prosseguidas pelas instituições dos 27.

CCE 2009 com seis objectivos

Em Portugal, a CCE 2009 é organizada pelo Instituto de Estudos Estratégicos e Internacionais (IEEI) enquanto parceiro português de um consórcio europeu liderado pela Fundação Rei Balduíno, com sede em Bruxelas.

A CCE 2009 tem seis objectivos, designadamente promover a interacção entre os cidadãos e os decisores políticos, fazer dos cidadãos consultores políticos e levar à participação dos cidadãos na definição dos instrumentos políticos futuros.

Reduzir a distância entre a UE e os cidadãos, aumentar o interesse do público em geral pelas questões europeias e promover parcerias na participação são outros dos objectivos da CCE 2009.

Depois da sessão de abertura no sábado, com a presença da secretária de Estado dos Assuntos Europeus, Maria Teresa Gonçalves Ribeiro, os 50 cidadãos portugueses participam em vários debates.

Domingo, os debates serão traduzidos em recomendações que depois serão apresentadas e debatidas com um painel de eurodeputados portugueses.

In IOL Portugal Diário

Viagens


Em preparação para a viagem a Roma.

As previsões relativas ao tempo não são nada animadoras. Chuva todos os dias...

Mariah Carey

No dia 27 de Março de 1970 nascia nos Estados Unidos da América Mariah Carey.

Da Infopédia:

Cantora soul norte-americana, Mariah Carey nasceu a 27 de Março de 1970, em Nova Iorque. Criada pela mãe, uma cantora de ópera na New York City Opera, Mariah Carey começou a cantar aos 4 anos. Na escola secundária, iniciou a composição de canções. Após terminar o ensino liceal, obteve a sua grande oportunidade ao ser contratada para fazer coros da cantora Brenda Starr. Tommy Mottola, presidente da Sony Music Enterntainment, ouviu umas gravações de Mariah, contratou-a e acabou por casar-se com ela. O álbum de estreia, Mariah Carey (1990), constituiu um êxito sem paralelo para uma cantora a dar os primeiros passos, revelando um talento que dominava com igual mestria os estilos pop, soul, R&B, hip-hop e gospel. Vendendo mais de 12 milhões de cópias em todo o mundo, o álbum homónimo produziu quatro singles, todos eles a ocuparem o topo das tabelas de vendas: "Vision of Love", "Love Takes Time", "Someday" e "I Don't Wanna Cry". No ano de estreia, foi galardoada com dois prémios grammy, nas categorias de Melhor Novo Artista e Melhor Vocalização Feminina Pop. Seguiu-se Emotions (1991), quádrupla platina, cujo tema-título conseguiu a proeza de ser o quinto "número um" consecutivo da sua carreira. Este álbum proporcionou-lhe um American Music Award. Em 1993, surgiu Music Box, o seu terceiro álbum de originais, que teve em "Dreamlover", "Hero", e na versão de "Without You" de Harry Nilsson, os seus melhores momentos. Seguiram-se os álbuns Daydream (1996) e Butterfly (1997). Destes álbuns destacaram-se temas como "Fantasy", "One Sweet Day" (em dueto com o grupo Boyz II Men), "Always Be My Baby", "Honey" e "My All". Em Abril de 1998 surgiu no espectáculo Divas Live, produzido pela estação televisiva VH1, ao lado de Celine Dion, Gloria Estefan, Aretha Franklin, e Shania Twain. Em Novembro do mesmo ano, lançou uma colectânea dos seus maiores êxitos, na qual incluiu alguns temas originais, de entre os quais merece relevo o dueto com Whitney Houston em "When You Believe", que fez parte da banda sonora da animação The Prince of Egypt. O ano seguinte viu sair Rainbow, o seu sexto álbum de originais, que incluiu os êxitos "Heartbreaker", "Thank God I Found You" e a versão do clássico de Phil Collins, "Against All Odds". Em Abril de 2000, participou no espectáculo de homenagem a Diana Ross, Divas 2000, produzido pela estação televisiva VH1. No ano seguinte, surge novo álbum de originais, Glitter, o primeiro pela Virgin Records, que se revelou um fracasso comercial e não foi capaz de manter Mariah Carey no topo da popularidade da cena pop mundial. Além disso, a aparição e súbito desaparecimento de uma mensagem suicida da cantora no seu site oficial e algumas exibições públicas menos próprias levantaram a polémica em torno da cantora e da aparente desorientação da sua vida pessoal e profissional. Num clima de desconfiança geral, surgiu Chambracelet (2002). O disco foi visto como uma tentativa de camuflar os episódios associados ao registo anterior, com uma nova mudança de editora, para a Island Records. O álbum teve críticas negativas e esteve afastado do mediatismo comercial. A cantora foi recorrentemente criticada pela sua colagem ao mundo hip-hop. O registo dos melhores momentos da carreira da cantora na Sony, Greatest Hits (2001), é, sem dúvida, o melhor testemunho do trabalho relevante de Mariah Carey e revela o valor da sua voz, entretanto perdida nos caminhos tortuosos da fama e da desorientação.

Mariah Carey. In Infopédia [Em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2009. [Consult. 2009-03-27]

quinta-feira, 26 de março de 2009

Notícia em Destaque - Portugal e Cabo Verde marcam data para Acordo Ortográfico

Como já referi, este "malfadado" acordo não terá qualquer aplicação no Outras Escritas.

Lê-se no IOL Portugal Diário:

As negociações entre estes dois países levaram a marcar data de implementação para 5 de Maio

Portugal e Cabo Verde deverão iniciar a implementação do Acordo Ortográfico a 5 de Maio, embora a data seja ainda «meramente indicativa» e possa ser «alterada», disse, esta quinta-feira, à Agência Lusa, o ministro da Cultura cabo-verdiano.

Manuel Veiga explicou que os dois países têm estado em negociações para que o Acordo Ortográfico seja implementado, na documentação oficial, ainda no primeiro semestre deste ano, como já tinha referido à Lusa o seu homólogo português, José António Pinto Ribeiro, durante a visita oficial que o primeiro-ministro de Portugal, José Sócrates, efectuou a Cabo Verde, de 12 a 14 deste mês.

Manuel Veiga avançou que a decisão foi tomada conjuntamente com José António Pinto Ribeiro, tendo, então, ficado decidido que os dois países agendariam a implementação para 5 de Maio, «data meramente indicativa», insistiu, por ser o Dia da Cultura da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP).

«Nós, em Cabo Verde, estamos a preparar o diploma relativo à entrada em vigor do acordo, que deverá seguir em breve para o Conselho de Ministros para aprovação e, só depois, iniciaremos a implementação. Estamos ainda em negociações com Portugal. Mas só posso dizer que esta data é indicativa, ela pode ser alterada», explicou.

A 12 deste mês, durante a estada em Cabo Verde, José António Pinto Ribeiro disse, à Lusa, acreditar que a entrada em vigor do Acordo Ortográfico nas instituições oficiais poderia ser uma realidade em Cabo Verde e em Portugal até ao final do primeiro semestre.

«Não tenho dúvida nenhuma (que Cabo Verde vai oficializar o acordo). Nesse domínio, temos um grande entendimento e acreditamos que, ainda no primeiro semestre deste ano, vamos pôr em vigor na documentação oficial tudo o que é o Acordo Ortográfico», referiu na altura o governante português.

In IOL Portugal Diário

Diana Ross

No dia 26 de Março de 1944, nascia nos Estados Unidos da América, Diana Ross.

Da Infopédia:

Cantora soul-pop e actriz, Diana Ross nasceu a 26 de Março de 1944, em Detroit. Integrou as Supremes , um dos grupos de maior sucesso da editora Motown Records. Composto ainda por Mary Wilson e por Florence Ballard, substituída em 1967 por Cindy Birdsong, o grupo gravou um conjunto de êxitos que marcaram a música pop na década de 60: "Where Did Our Love Go" (1964), "Baby Love" (1964), "Come See About Me" (1964), "Stop! In The Name Of Love" (1965), "My World Is Empty without You" (1966), "You Can't Hurry Love" (1966), "You Keep Me Hangin' On" (1966), "Love Child" (1968) e "Someday We'll Be Together" (1969), entre outros. Diana saiu do grupo em 1970 para iniciar uma carreira a solo. O seu primeiro grande êxito, "Reach Out And Touch (Somebody's hand)" (1970), antecedeu um conjunto de temas que consolidaram o sucesso obtido anteriormente com as Supremes . "Ain't No Mountain High Enough" (1970), "Touch Me In The Morning" (1973), "Do You Know Where You're Going To" (1975), "Love Hangover" (1976), "Upside Down" (1980), "Endless Love" (1981), em dueto com Lionel Richie, "Why Do Fools Fall In Love" (1981), "Muscles" (1982), "Missing You" (1984), um tributo a Marvin Gaye, e "Chain Reaction" (1986) são alguns dos êxitos que definiram a sua carreira. Os seus álbuns mais representativos são Touch Me In The Morning (1973), Diana and Marvin (1974), Last Time I Saw Him (1974), Diana Ross (1976), The Boss (1979), Diana (1980), Why Do Fools Fall in Love (1981), Silk Electric (1982), Swept Away (1984), Eaten Alive (1985), The Force Behind The Power (1991) e Everyday Is A New Day (1999). A sua carreira como actriz, ainda que fugaz, teve início em 1972 no papel da cantora jazz Billie Holiday, em Lady Sings The Blues . Esta interpretação valeu-lhe a nomeação para o Óscar de Melhor Actriz. Participou ainda em Mahogany (1975) e The Wiz (1978), ao lado de Michael Jackson. Nos anos 90 surgiu em duas produções televisivas: Out Of Darkness (1994) e Double Platinum (1999).

Diana Ross. In Infopédia [Em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2009. [Consult. 2009-03-26]

quarta-feira, 25 de março de 2009

Ainda a Linha do Tua

Ao fazer uma pesquisa sobre fotografias da Linha do Tua para colocar no "post" anterior" encontrei este "site".

É do Movimento Cívico pela Linha do Tua. Existe uma petição para salvar a linha, que acabei de assinar.

Notícia em Destaque - REFER assume: Linha do Tua depende da barragem

Nunca tive o prazer de fazer uma viagem de comboio pela linha do Tua. Espero ainda poder fazê-lo. Num país em que parece apostar-se tanto no turismo, ainda se equaciona desactivar linhas de comboio com esta.

Do IOL Portugal Diário:

Com a barragem desaparecerá uma das paisagens mais belas do país
.

A REFER assumiu, pela primeira vez, que o futuro da linha do Tua está dependente da barragem de Foz Tua, anunciando que a circulação continuará suspensa até uma decisão relativa à construção do empreendimento hidroeléctrico, noticia a Lusa.

Num comunicado divulgado terça-feira, a empresa proprietária da linha refere que a circulação entre o Cachão e a Foz do Tua «será condicionada à decisão que vier a ser tomada relativamente à construção da Barragem de Foz do Tua».

A circulação está suspensa há mais de meio ano neste troço da linha, desde o último acidente a 22 de Agosto, que provocou uma vítima mortal.

Corgo e Tâmega: CP assegura alternativas

Até agora, a REFER nunca se tinha pronunciado sobre as implicações da barragem, apesar de todos os estudos apontarem para a submersão de parte da linha, independentemente da cota da albufeira.

O início da construção da barragem de Foz Tua aguarda pela Declaração de Impacte Ambiental que, caso seja favorável, implicará a desactivação imediata dos últimos quatro quilómetros da linha.

A EDP necessita deste troço para os trabalhos de prospecção da barragem, que depois deverá inundar mais alguns quilómetros da ferrovia com o enchimento da albufeira, cortando a ligação à linha do Douro e ao Litoral.

Com a barragem desaparecerá também a paisagem que é considerada o principal atractivo para os passageiros desta linha, considerada das vias estreitas mais belas do mundo.

«Erro trágico»

Numa reacção ao anúncio da REFER, a Liga dos Amigos Douro Património Mundial (LADPM) «não se conforma com a situação» e lança um alerta a todas as entidades públicas contra a «descaracterização e desvirtuamento».

A Liga entende que «o afogamento da linha do Tua será um erro trágico que pode lesar o conceito de Património Mundial» do Douro Vinhateiro, já que se encontra na sua área de influência.

Num documento enviado aos membros do Governo, a LADPM alega não ser «contra o represamento da água dos rios, com fins energéticos, apoiando, de forma inequívoca, investimentos com sustentabilidade social, económica e ambiental».

«Porém, devem ser ponderados, desde logo nos estudos prévios, todos benefícios e custos, isto é, os impactos - positivos e negativos - que resultem da implantação de novos projectos que possam alterar significativamente, quer a paisagem, quer a destruição de património edificado, com valor social, intergeracional e económico, que a simples aplicação de técnicas financeiras não consegue captar, nem valorar adequadamente», acrescenta.

A Liga de Amigos do Douro entende que o Estudo do Impacto Ambiental (EIA) da barragem de Foz Tua «não valorizou a Linha do Vale do Tua».

Refere ainda não ter «quaisquer dúvidas de que a Linha do Tua constitui um bem cultural que a geração actual tem obrigação de preservar e transferir como legado para gerações futuras». Para a LADPM, «não está em causa o valor comercial actual» da linha, que admite ser reduzido, mas é «incalculável o seu valor patrimonial e cultural».

In IOL Portugal Diário
Fotografia: http://www.linhadotua.net/

Aretha Franklin

No dia 25 de Março de 1942 nasce nos Estados Unidos da América, Aretha Franklin.

Da Infopédia:

Cantora norte-americana, Aretha Louise Frankiln nasceu a 25 de Março de 1942, em Memphis, Tennessee. Filha de um famoso cantor gospel, o reverendo C. L. Franklin, começou por cantar com as irmãs na igreja baptista de seu pai. Como cantora gospel, gravou pela primeira vez aos 14 anos, tendo feito várias digressões durante a adolescência. Aretha Franklin é um dos nomes mais sonantes da música soul, mesmo da pop americana. Mais do que qualquer outro artista, Aretha deu uma nova dimensão a este estilo musical, sublinhando as influências dos gospel negros. É frequente apelidada de "Lady Soul", a senhora do soul, e este epíteto não é exagerado. A série surpreendente de êxitos, em pleno final dos anos 60, associada à Atlantic Records, assegurou-lhe um estatuto ímpar no cenário musical americano. Temas como "Respect", "I Never Loved a Man", "Chain of Fools", "Baby I Love You", "I Say a Little Prayer", "Think", "The House That Jack Built", entre outros, fizeram de Aretha Franklin um ícone incontrolável da música mundial. As décadas de 60 e 70 constituíram o auge da sua carreira, graças a êxitos como "I Never Loved A Man (The Way I Love You)", "Respect", "Baby I Love You", "(You Make Me Feel) A Natural Woman", "Chain Of Fools", "(Sweet Sweet Baby) Since You've Been Gone", "Think", "The House That Jack Built", "I Say A Little Prayer", "Bridge Over Troubled Water", "Don't Play That Song", "Spanish Harlem" e "Rock Steady". A vida de Aretha Franklin começou, desde muito cedo, a ser influenciada pelos espirituais negros. Cantou, na companhia das suas irmãs, Carolyn e Erma, na igreja do seu pai, o reverendo C. L. Franklin, em Detroit. Os seus primeiros registos discográficos, como cantora de gospel, acontecem aos 14 anos. Apesar de hoje se saber que esteve muito perto de assinar com a prestigiada Motown, a verdade é que Aretha Franklin acabou por gravar para a Columbia, trazida para a fama pelo caça-talentos John Hammond. Durante a primeira metade dos anos 60, a cantora gravou para esta editora, conseguindo alguns sucessos de R&B e um single que fez parte do Top 40 americano, chamado "Rock-a-bye Your Baby with a Dixie Melody". Mas não foi com estes registos que Aretha despontou para o sucesso. Diz-se que, durante este período, o trabalho da cantora era pressionado e influenciado por uma estratégia orientada para as sonoridades pop, muito em voga na época. Quando Aretha Franklin trocou a Columbia pela Atlantic Records, o produtor Jerry Wexler estava determinado a conseguir fazer da cantora uma artista de soul. Na sequência desse objectivo foi gravado o primeiro single "I Never Loved a Man (The Way I Love You)", com a colaboração de alguns músicos de R&B credenciados, os Muscle Shoals Sound Rhythm Section, que haviam de colaborar com a cantora noutros trabalhos. No final dos anos 60, após alguns discos bem-sucedidos, Aretha Franklin era uma estrela de sucesso, um símbolo de afirmação da América negra, numa década marcada pelo surgimento de movimentos defensores das minorias e dos direitos civis. Em relação ao sucesso comercial, os números falam por si: 10 singles foram n.º1 desde o início de 1967 até ao final de 1968 e muitos outros êxitos nos cinco anos seguintes. Os LP gravados pela Atlantic também atingiram números interessantes, suplantando as marcas de outros nomes da soul da época. O repertório das gravações contemplava uma diversidade de coisas, desde clássicos originais aos temas gospel, aos blues, ao pop e a versões do rock, nomeadamente dos Beatles, Simon & Garfunkel e dos Drifters. Com esta versatilidade a cantora conseguiu obter popularidade junto de públicos diversos e de diferentes afinidades musicais. Definitivamente, Aretha Franklin tinha um rumo e esse caminho chamava-se sucesso. A cantora não se desviou desse trajecto no início da década de 70, estreando-se no papel de produtora em dois dos seus discos Live at Fillmore West (1971) e Amazing Grace (1972). Este álbum foi gravado ao vivo com o reverendo James Cleveland e o Southern California Community Choir, e proporcionou-lhe o oitavo grammy da sua carreira. Este registo foi um dos mais bem-sucedidos da história dos álbuns gospel, conseguindo um lugar no top dez dos EUA. Os anos seguintes ficaram marcados por mais alguns êxitos. O tema "Angel" e a versão de Stevie Wonder "Until You Come Back to Me" conseguiram bons resultados e pareciam indicar uma orientação mais pop da cantora. O contrato com a Atlantic cessou no final dos anos 70 e, desde então, a cantora apenas conseguiu alguns êxitos esporádicos, como, por exemplo, Who's Zooming Who (1985)e Jump to It (1982). Outro regresso às suas raízes surgiria em 1987, com One Lord, One Faith, One Baptism. Ainda neste ano tornou-se a primeira mulher a entrar para o Rock and Roll Hall of Fame. Os trabalhos mais recentes da cantora têm suscitado opiniões divergentes e o único dado objectivo que sobeja é que Aretha Franklin já não é a mesma, a sua voz mantém as mesmas qualidades mas parece desperdiçada em material menor, sem consistência e, mais do que isso, longe da fórmula que a fez "Lady Soul", ou seja, o R&B, os blues e o gospel. Ainda nos anos 80, a cantora edita Through the Storm (1989). A este seguiram-se outros fonogramas pouco mediáticos, What You See Is What You Sweat (1991), A Rose Is Still a Rose (1998), So Damn Happy (2003) e diversas compilações dos seus maiores hits.

Aretha Franklin. In Infopédia [Em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2009. [Consult. 2009-03-25]

terça-feira, 24 de março de 2009

Notícia em Destaque - Euribor renovam mínimos mas ritmo de queda abranda

Lê-se no IOL Portugal Diário:

As taxas Euribor, praticadas nos empréstimos interbancários, mantiveram esta terça-feira a tendência descendente, embora de forma menos acentuada, estabelecendo novos mínimos, excepto a 12 meses, que estabilizou.

As taxas a uma e a duas semanas subiram marginalmente.

A indexante a 3 meses desceu 0,004 pontos percentuais para 1,556%, o nível mais baixo de sempre pela vigésima oitava sessão consecutiva, segundo a Federação Europeia dos Bancos.

Já a taxa a 6 meses, principal indexante do crédito hipotecário, caiu 0,003 pontos percentuais para 1,709%.

A taxa a 12 meses mantém-se inalterada nos 1,857%.

As Euribor são fixadas pela média das taxas às quais um conjunto de bancos está disposto a emprestar dinheiro no mercado interbancário.

Recorde-se que esta terça-feira, o presidente do Banco Central Europeu (BCE), Jean-Claude Trichet, admitiu voltar a cortar os juros.

In IOL Portugal Diário

Londres, 13 de Agosto de 2101

Jorge chega a casa depois de mais um dia de trabalho estafante. Estaciona o veículo de transporte e olha em volta para um jardim completamente seco. Vive naquela casa há mais de quarenta anos, mas não consegue habituar-se ao seu jardim seco. Desde 2086 que a água começou a ser racionada. Primeiro só durante umas horas por dia, geralmente durante o horário de trabalho, mas depois os períodos de racionamento foram aumentando e hoje em dia o abastecimento de água está disponível apenas uma hora por dia. Entre as 7 e as 8 da manhã. Dá para tomar um duche, não dá, evidentemente para beber. Água potável, só mesmo nos estabelecimentos próprios e a um preço cada vez mais elevado.

Ao subir a escada que conduz à porta de entrada, Jorge, descendente de portugueses que partiram para Londres quando ainda era uma criança, recorda o seu jardim de outros tempos, florido e verde, com água abundante, sistemas de rega automática que ligavam e desligavam depois de analisarem as condições atmosféricas, estufas que se elevavam automaticamente quando as noites se tornavam demasiadamente frias para as suas plantas tropicais.

“É melhor esquecer” - pensa Jorge enquanto olha para a pequena câmara de vídeo, que faz um “scan” completo ao seu corpo e lhe abre a porta com um “Olá Jorge bem vindo a casa”. Tem que desligar aquela Voz Irritante que lhe dá sempre as boas vindas e que o persegue pela casa, relembrando-o dos seu afazeres diários. Jorge tem 70 anos e começa a perder a paciência para algumas destas coisas, a que costuma chamar “modernices”.

“Será que a Ana está em casa?” - pensa Jorge. Olha para o relógio, faz as contas ao fuso horário e conclui que Ana deve estar já levantada. São casados quase há 30 anos e nunca viveram juntos. Encontram-se apenas uma vez por ano, fisicamente pelo menos. “Ciberneticamente” encontram-se quase todos os dias.

- Voz Irritante, verifica se a Ana já acordou e se pode falar comigo.

Voz Irritante é o nome que Jorge resolveu dar à sua assistente cibernética que o persegue pela casa. A Voz reponde que Ana já está acordada e que podem falar.
Jorge olha para o ecrã e lá está Ana à sua espera.

-Hoje não estás com bom aspecto, já bebeste o teu copo de água? - diz Ana que está sempre preocupada com a saúde de Jorge.

- Não. Vou beber daqui a pouco, não te preocupes.

-Está bem! A água é importante, Jorge sabes disso. Como foi o teu dia?

-Quase tão rotineiro como todos os outros. Não parece haver solução para o problema da água. Conseguimos isolar uma pequena quantidade livre de qualquer contaminação, mas os custos associados ao processo são tão elevados que não nos permitem partir para produções em grande escala. Tu como estás? Pareces um pouco abatida.

- A água Jorge! É sempre a água. Por aqui quase não se consegue um litro por semana. Não posso beber um copo todos os dias...

- Não percas a esperança, minha querida Ana...

- Não perdi! Vou sair, Jorge, já estou um pouco atrasada. Adeus meu querido, uma boa noite. Falamos amanhã.

Desligam. Jorge sente-se profundamente triste. Tem saudades de Ana. Do seu corpo, dos seus carinhos e da sua presença. “Tocam-se” ao fim de semana, quando resolvem vestir os fatos cibernéticos, mas esta solução nunca lhe lhe agradou inteiramente.
Sonha com as férias que ainda estão distantes...

Perde-se nos pensamentos...e então... então tem uma ideia para mais um processo de purificação de água. Fica animado. Talvez seja só mais uma ideia que não dará em nada, mas como cientista, tem que tentar. Sabe que um dia poderá salvar o mundo.

Hoje Jorge vai dormir um pouco melhor...

Londres 13 de Janeiro de 2101 (preço de 1 litro de água potável 562,23 €)

Texto de minha autoria, escrito para a Fábrica de Histórias

O Imperador de Portugal - Selma Lagerlof

Terminei ontem de ler este pequeno livro de Selma Lagerlof, prémio Nobel da literatura em 1909.

Embora o nome do nosso país apareça no título do livro, a história que é contada nada, ou quase nada tem a ver com Portugal.

O Imperador de Portugal retrata a história de um camponês Sueco, de modos rudes e coração de pedra, que se vê confrontado com o nascimento de uma filha. Jan nunca pensou que tal acontecimento poderia despertar em si sentimentos tão extremos de amor, carinho e um instinto de protecção que pensava não ser possível.

A menina cresce e parte para Estocolmo para ganhar dinheiro e poder salvar os pais da ruína. O pai sofre um duro golpe de saudade e, quando deixa de ter notícias da filha, enlouquece e resolve tornar-se Imperador de Portugal.

A menina volta 15 anos mais tarde para um reencontro que é tudo menos feliz.

Um livro muito agradável, que se lê com facilidade e que retrata uma história interessante sobre a Suécia rural.

Marcos Portugal

No dia 24 de Março nascia Marcos Portugal.

Da Infopédia:

Compositor e chefe de orquestra português nascido em 1762 e falecido em 1830. Iniciou os seus estudos musicais no Seminário Patriarcal, de cuja capela foi cantor e organista. Compôs peças religiosas e um conjunto de farsas, vindo a assumir, em 1785, o cargo de regente da orquestra do Teatro do Salitre. Em 1792 partiu para Nápoles sob protecção régia. Quando regressou ao nosso país, o seu nome já era conhecido por toda a Europa como o de um dos melhores compositores líricos da época. Foi ainda maestro do Teatro de S. Carlos, professor do Seminário Patriarcal e mestre da capela real. Entre outras óperas, compôs La donna di genio volubile , Rinaldo d'Asti e Adrasto, ré d'Eggito .

Marcos Portugal. In Infopédia [Em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2009. [Consult. 2009-03-24]

segunda-feira, 23 de março de 2009

Livros...

Acabei de receber como empréstimo...

Notícia em Destaque - Despiste de avião em Istambul, último de quatro acidentes nas últimas horas

É bom que paremos por aqui!

Esta notícias são sempre um pouco traumáticas para quem tem medo de andar de avião.

Lê-se na TSF:

Um avião de passageiros ucraniano saiu hoje de pista ao aterrar no aeroporto internacional de Istambul, sem causar feridos, no último de quatro acidentes aéreos ocorridos nas últimas horas em países diferentes.

Segundo a cadeia de televisão CNN-Turk, a roda da frente do Tupolev ucraniano atolou-se na lama no final da pista, mas não causou danos no avião ou entre os passageiros e tripulantes.

Nos Estados Unidos, um avião com 17 pessoas a bordo, entre elas várias crianças, despenhou-se no domingo num cemitério em Butte, Montana, a cerca de 200 metros da pista de aterragem da cidade, morrendo todos os seus ocupantes, de acordo com a autoridade aeronáutica dos EUA.

O avião monomotor, que havia partido de Oroville, na Califórnia, tinha como destino a cidade de Bozeman, também em Montana, mas por motivos ainda não revelados, alterou a rota para tentar aterrar em Butte.

Em Tóquio, um avião de carga da empresa de transportes norte-americana Fed Ex despenhou-se hoje quando aterrava no aeroporto de Narita, incendiando-se em seguida, segundo órgãos de comunicação nipónicos.

No aparelho, um MD-11, oriundo de Cantão, no Sul da China, viajavam apenas o piloto e o co-piloto, que perderam a vida no acidente.

Segundo as primeiras informações, a aterragem terá sido prejudicada pelos fortes ventos que se fazem sentir no local.

Um Boeing 737-200 indonésio com 122 passageiros e tripulantes fez hoje uma aterragem de emergência em segurança na ilha de Batam (oeste da Indonésia) devido a uma falha num motor, mas ninguém ficou ferido, disse um porta-voz da companhia Sriwijaya.

O avião, que fazia uma ligação interna entre a ilha de Bintan e Jacarta, pediu autorização para aterrar no aeroporto mais próximo quando estava ainda a na manobra de ascensão após a descolagem, segundo a mesma fonte.

In TSF

Maria Stuarda (Donizetti) - Mariella Devia

Mariella Devia continua a brilhar no palcos de Itália com a interpretação de Maria Stuarda na ópera homónima de Donizetti.

O vídeos seguintes são de um récita ocorrida em Catânia, já em 2009.

A cena da confrontação entre as duas rainhas (Isabel I e Mary Stuard), neste caso com Devia a confrontar Polverelli parece-me ainda melhor que a a do Scala.

Nos vídeos que se segue há também excertos de uma entrevista com a cantora.





Acidente...

Impressionante... (avião de carga,morreram os dois pilotos)



Norton de Matos

No dia 23 de Março de 1867, nascia em Ponte de Lima, Norton de Matos.

Da Infopédia:

Jorge Maria Mendes Norton de Matos nasceu em 1867, em Ponte de Lima, e faleceu em 1955. Depois de frequentar o colégio em Braga, foi, em 1880, para a Escola Académica, em Lisboa. Quatro anos depois iniciou o seu curso na Faculdade de Matemática em Coimbra. Fez o curso da Escola do Exército e, em 1898, partiu para a Índia. Começou aí a sua carreira na administração colonial, como director dos Serviços de Agrimensura. Acabada a sua comissão, viajou por Macau e pela China em missão diplomática. O seu regresso a Portugal coincidiu com a proclamação da República. Dispondo-se a servir o novo regime, Norton de Matos foi chefe do estado-maior da 5.a divisão militar. Em 1912 tomou posse como governador geral de Angola. A sua actuação na colónia revelou-se extremamente importante, na medida em que impulsionou fortemente o seu desenvolvimento, protegendo-a, de certa forma, da ameaça contínua que pairava sobre o domínio colonial português, por parte de potências como a Inglaterra, a Alemanha e a Itália. Foi demitido do cargo em 1915, como consequência da nova situação política que se vivia em Portugal durante a Primeira Guerra Mundial. Foi depois chamado, de novo, ao Governo, ocupando o cargo de ministro das Colónias, embora por pouco tempo. Em 1917, um novo golpe revolucionário obrigou-o a exilar-se em Londres. Foi, todavia, mais tarde, promovido a general por distinção e nomeado Alto Comissário da República em Angola. Na Primavera de 1919, foi delegado português à Conferência da Paz. Em Junho de 1924, exerceu as funções de embaixador de Portugal em Londres, cargo de que foi afastado aquando da instauração da Ditadura Militar. Foi, em 1929, eleito grão-mestre da Maçonaria Portuguesa. Recebeu, entre outras, as seguintes condecorações: Grão-Cruzes de Torre-e-Espada, de Santiago e de Avis; comenda da Ordem de Cristo; Grão-Cruzes da Ordem Britânica de S. Miguel e S. Jorge e da Coroa da Bélgica.

Norton de Matos. In Infopédia [Em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2009. [Consult. 2009-03-23]

domingo, 22 de março de 2009

Rafal Olbinski - Posters for Performing Arts (XIX)

Caemen (Bizet)
New York City Opera

Andrew Lloyd Webber

No dia 22 de Março de 1948 nasce em Londres Andrew Lloyd Webber.

Da Infopédia:

Compositor inglês que nasceu em 1948, em Londres. O seu eclectismo ajudou a revitalizar o teatro musical inglês e norte-americano dos finais do século XX. Estudou no Royal College of Music e, enquanto estudante, começou a compor para as produções dramáticas de Timothy Rice. O seu primeiro grande trabalho foi Joseph and the Amazing Technicolor Dreamcoat (1968), uma oratória pop para crianças. Seguiu-se a ópera rock Jesus Christ Superstar (1971), que conquistou uma enorme popularidade, embora também suscitasse bastante controvérsia. Foi um trabalho que misturou figuras clássicas com música rock, para contar a vida de Jesus. A última grande colaboração de Lloyd com Rice foi em Evita (1978), um musical sobre Eva Perón, a esposa do ditador argentino Juan Perón. Com um trabalho de composição parcialmente novo, Evita seria transformado, em 1996, num filme de grande sucesso internacional, protagonizado por Madonna e António Banderas. No seu musical seguinte, Cats (1981), Lloyd Webber utilizou versos de um livro infantil de T. S. Eliot. Esse espectáculo conta com mais de uma década de exibição em Londres. Em 1986, compôs O Fantasma da Ópera (The Phantom of The Opera ). Os seus outros musicais de sucesso incluem Song and Dance (1982), Starlight Express (1984) e Aspects of Love (1989). As melhores criações de Lloyd Webber formam espectáculos vistosos, que se caracterizam por melodias intensas e uma representação dramática.

Andrew Lloyd Webber. In Infopédia [Em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2009. [Consult. 2009-03-22]

sábado, 21 de março de 2009

Ensaio Sobre a Cegueira - José Saramago

Referi no Outras Escritas há algum tempo atrás, que nunca tinha lido Saramago e que, depois de ver o filme "Ensaio Sobre a Cegueira" (Blindness) de Fernando Meirelles, tinha ficado com alguma curiosidade sobre o livro do mesmo nome.

Sabendo deste facto, um amigo ofereceu-me o livro como presente de Natal. Obrigado.

Não comecei de imediato a leitura. Há sempre tanta coisa para ler e, além disso, Saramago sempre me assustou. As críticas que a maioria das pessoas faz à sua escrita é de que a falta de pontuação torna os seus livros quase impossíveis de ler.
Quando iniciei a leitura coloquei este "post" no Outras Escritas as criticas negativas à escrita e atitude de Saramago foram mais que muitas.

Com tanta expectativa, confesso que estava apreensivo e decidido a parar imediatamente de ler, caso a escrita não me agradasse ou fosse demasiadamente difícil. A leitura para mim tem que ser um prazer e não um exercício de esforço.

Aconteceu precisamente o contrário do que eu esperava. Difícil foi parar de ler. Não consegui encontrar as dificuldades de leitura de que tanto se fala. Apenas os diálogos são escritos de forma "corrida", sem separação entre o que dizem as diferentes personagens. De resto, está "tudo no sítio". Pelo menos neste livro.

O Ensaio sobre a Cegueira tornou-se desta forma, um dos melhores livros que já li. A história de uma cidade em local indeterminado onde todos os habitantes vão ficando cegos e as modificações que tal cegueira obriga na maneira de ser e de pensar das pessoas são impressionantes. Leva-me a pensar "onde é que o homem foi buscar esta ideia?", "como é possível alguém inventar uma história destas?".

O livro é de tal forma interessante e denso, que as personagens não têm nome. São identificadas pelas suas características físicas ou pela sua profissão (o médico, a mulher do médico, a mulher dos óculos escuros).

A mensagem transmitida fica ao critério de cada leitor, mas leva-nos a pensar que há muito cegos por aí.

"SE PODES OLHAR VÊ. SE PODES VER REPARA". Esta frase do Livro dos Conselhos, está na contracapa do Ensaio Sobre a Cegueira e leva-me a pensar que, como posso ver, vou reparar mais em Saramago.

Um Dia

Um dia, gastos, voltaremos
A viver livres como os animais
E mesmo tão cansados floriremos
Irmãos vivos do mar e dos pinhais.

O vento levará os mil cansaços
Dos gestos agitados irreais
E há-de voltar aos nosso membros lassos
A leve rapidez dos animais.

Só então poderemos caminhar
Através do mistério que se embala
No verde dos pinhais na voz do mar
E em nós germinará a sua fala.

Sophia de Mello Breyner

Dia mundial da Poesia


É hoje, dia 21 de Março...

Ayrton Senna

No dia 21 de Março de 1960, nascia no Brasil Ayrton Senna.

Da Infopédia:

Piloto de automóveis brasileiro, Ayrton Senna da Silva nasceu a 21 de Março de 1960, em São Paulo, e faleceu a 1 de Maio de 1994, no hospital Maggiore, em Bolonha. Notabilizou-se na condução desde muito cedo, conquistando vários títulos na modalidade de karting. Tornou-se campeão sul-americano de "karts" em 1977 e 1978. Antes de ingressar na Fórmula 1, Senna ainda teve uma passagem pela Fórmula 1600 europeia, modalidade que abandonou devido à falta de apoio financeiro. Em 1983, regressou à modalidade patrocinado por um banco. Conseguiu tão bons resultados que foi convidado para a Fórmula 3 britânica, onde conquistou o título no ano de estreia, confirmando todo o seu favoritismo. Em 1984, ingressou na Fórmula 1 através da equipa Toleman. Contudo, teria ido para a Brabham se não fosse o desagrado demonstrado pelo seu compatriota Nélson Piquet sobre a sua possível contratação. Em 1985, rumou à Lotus, onde alcançou a sua primeira vitória no autódromo do Estoril, em Portugal, o que representou a primeira vitória da equipa em sete anos de competição. Senna ganhou assim o seu primeiro Grande Prémio na equipa dos seus ídolos: Fittipaldi e Jim Clark. Em 1988, foi contratado pela Mclaren e, nesse mesmo ano, venceu o mundial de pilotos. A rivalidade com Alain Prost marcou a F1 no final da década de 80, uma vez que os duelos e incidentes entre os dois foram muitos. O brasileiro venceu o mundial mais duas vezes, em 1990 e em 1991. Depois de dois anos sem títulos, perdidos para Mansell e Prost da Williams, Senna aceitou o convite desta marca, propriedade de Frank Williams, para a temporada que se seguia. Porém, Senna nem um ponto conquistou na Williams. Faleceu na sequência de um trágico acidente ocorrido em Maio de 1994, em Imola, quando corria o Grande Prémio de San Marino. Ao longo da sua carreira, Ayrton Senna disputou 161 Grandes Prémios, vencendo 41 em onze épocas na F1. Em 2004, Ayrton Senna ainda detinha o recorde de pole-position na modalidade, num total de 65. O seu estilo agressivo, a capacidade de levar o carro aos limites e a qualidade da sua condução à chuva tornaram-no num mito para os amantes da modalidade. Após a sua morte, foram publicados numerosos livros sobre a sua vida e a sua carreira, em diferentes línguas, como, por exempo, They Died Too Young - Ayrton Senna (ed. Parragon Books Ltd), de A. Noble; Ayrton Senna - His Full Car Racing Record (ed. Patrick Stephens Limited), de Chistopher Hilton; Ayrton Senna - Vida e Glória (ed. Melhoramentos), de Ivan Rendall; Senna, A Dimensão do Infinito (ed. Carré/I.P.I.), de M. Tereza Cardoso; Ayrton Senna - Guerreiro de Aquário (Editora Brasiliense), de Edvando Lima; e Uma Estrela Chamada Senna (ed. Panda Books), de Lemyr Martins.
Ayrton Senna. In Infopédia [Em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2009. [Consult. 2009-03-21]

sexta-feira, 20 de março de 2009

Chegada da Primavera

A primavera às vezes chega mais cedo. Estava à espera dela só amanhã, dia 21 de Março. No entanto a dita cuja chegou já hoje às 11.44.

Acabei de ver uma reportagem televisiva onde era referido que nesta estação do ano as maioria das pessoas fica mais animada e motivada.

É, no entanto, a estação do ano em que ocorrem mais suicídios.

As flores são do jardim da Reflexos...

Notícia em Destaque - Dados do Governo apontam aumento de 7,3 por cento nos acidentes mortais em 2008

Lê-se no Público:

A Associação dos Cidadãos Auto-Mobilizados (ACA-M) considera que o número de mortes nas estradas é superior ao que hoje é anunciado pelo Governo e culpa as autarquias por deixarem os carros andar a velocidade excessiva nas localidades. O relatório anual de sinistralidade rodoviária que é hoje apresentado indica que a maioria dos acidentes rodoviários registados no ano passado ocorreu dentro das localidades, tendo o número de mortos aumentado 7,3 por cento (mais 25 vítimas mortais) face a 2007 nestes acidentes. Segundo o documento, 71 por cento dos acidentes e 62 por cento dos feridos graves ocorreram dentro das localidades em 2008, enquanto o número de vítimas mortais foi superior fora das localidades (53 por cento). Para a ACA-M, o número de vítimas apontado no relatório oficial fica aquém da realidade. "O número de mortes a 30 dias, que o Governo não contabiliza, tem vindo a aumentar e tem vindo a aumentar precisamente nos centros urbanos", disse à Lusa Manuel João Ramos. Manuel João Ramos destaca que "é sobretudo nos centros urbanos que a chegada do socorro e às urgências é mais rápida". "As pessoas não morrem no local, mas morrem 15 dias ou 30 dias depois", sublinha. Manuel João Ramos, presidente da ACA-M, culpa as câmaras por permitirem que os automóveis circulem a uma velocidade excessiva em meio urbano. "Há uma falta de adaptação dos meios urbanos à velocidade automóvel. Se um automóvel andar a 70 ou 80 quilómetros/hora no centro de uma cidade, há pouca probabilidade de sobrevivência do peão, em caso de atropelamento", realçou. Este responsável destaca que o Instituto de medicina legal aponta para mais 40 por cento de mortos em termos de números globais no país em relação aos registos e considera que há omissões nas estatísticas, porque muitas vezes os números das polícias não correspondem aos números da Autoridade para a segurança rodoviária". "Por exemplo, tenho a certeza de que o acidente de 2006, em que foi atropelada uma menina na Avenida de Ceuta (Lisboa) não consta das estatísticas, nem sequer como ferido grave. Não compreendo. E este é um caso que foi muito mediatizado e era fácil de verificar", disse. Manuel João Ramos destacou que a ACA-M já se queixou ao Conselho Europeu de Segurança Rodoviária - que recentemente atribuiu a Portugal um prémio pela prevenção rodoviária - por considerar que o Governo sabe que as estatísticas não estão correctas. "Se as coisas estão tão bem, se o Governo faz tudo tão bem, por que é que as mortes não diminuem?", questiona. A Estratégia Nacional de Segurança Rodoviária 2008-2015, que envolve vários ministérios, prevê a revisão do Código da Estrada com base nas alterações que vão ser introduzidas até 2015, entre elas a contabilização dos mortos até 30 dias após sofrerem um acidente de viação.

In Público

D. Maria I

No dia 20 de Março de 1816, morria no Rio de Janeiro a Rainha D. Maria I.

Da Infopédia:

Maria Francisca Isabel Josefa Antónia Gertrudes Rita Joana, filha primogénita de D. José I e de D. Mariana Vitória de Áustria, nasceu em Lisboa a 17 de Dezembro de 1734. Casou com o seu tio, D. Pedro, em 1760 e subiu ao trono português em 1777, vindo a reinar até ao ano de 1816. No seu reinado verificou-se o retomar do comércio da rota do Cabo, dado que os ingleses estavam preocupados com a independência das colónias americanas e os franceses estavam envolvidos na revolução de 1789. D. Maria liberalizou a economia através da extinção da Companhia do Grão-Pará e Maranhão e da Companhia de Pernambuco e Paraíba. Os seus fortes sentimentos religiosos valeram-lhe o cognome de "a Piedosa". Mandou libertar os presos políticos e afastou do governo o marquês de Pombal. Criou a Academia Real das Ciências de Lisboa e a Casa Pia de Lisboa, esta última destinada à educação de crianças órfãs e pobres. Mandou construir a Basílica da Estrela e o Teatro de S. Carlos, em Lisboa, e o Hospital de Santo António e o Teatro de S. João no Porto. Ordenou também intervenções importantes no Palácio de Queluz e outros edifícios. A partir de 1799, devido ao facto de D. Maria sofrer de doença mental, o príncipe herdeiro D. João toma o título de regente. Em 1807, aquando das invasões francesas, D. Maria embarca, juntamente com toda a família real, para o Brasil, onde vem a falecer em 1816.

D. Maria I. In Infopédia [Em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2009. [Consult. 2009-03-20]

quinta-feira, 19 de março de 2009

Notícia em Destaque - Sampaio lamenta que "discussão" sobre preservativos e Sida não evolua

Concordemos com Jorge Sampaio e discordemos de uma Igreja Católica Apostólica Romana que continua alheada da realidade, mas que, infelizmente, influencia as atitudes e pensamentos de uma parte importante da população mundial.

Lê-se no Público:

O ex-presidente da República e enviado das Nações Unidas para a luta contra a tuberculose, Jorge Sampaio, lamentou hoje que a "discussão" sobre o uso do preservativo não evolua, manifestando desacordo com as polémicas declarações do Papa sobre este assunto.

O Papa Bento XVI declarou que a distribuição de preservativos não é a resposta adequada para se ajudar a África a combater a sida, o que motivou a condenação de vários governos europeus e organizações internacionais.

Instado a comentar as afirmações do Papa, o ex-presidente da República, que hoje esteve na abertura de um encontro internacional sobre tuberculose, manifestou o seu desacordo com Bento XVI, salientando que se trata " de uma velha discussão que não evolui, infelizmente".

O representante das Nações Unidas para a luta contra a tuberculose destacou ainda a estreita relação entre esta doença e a SIDA, sublinhando o papel da prevenção.

"A maioria das mortes de pessoas que têm HIV são pessoas que apanham tuberculose e morrem por causa da tuberculose. Obviamente que tudo isto se joga na prevenção", afirmou.

Jorge Sampaio lembrou, no seu discurso de abertura do encontro de hoje, que decorre em Lisboa, na Fundação Gulbenkian, que todos os anos adoecem nove milhões de pessoas e 1,7 milhões morrem devido à tuberculose.

Um terço da população mundial está infectada com a micro-bactéria que provoca a tuberculose.

O Papa fez as polémicas declarações sobre o uso do preservativo no início de uma viagem a África que inclui uma visita a Angola amanhã.


In Público

Dia do Pai...

Hoje é dia do Pai.

Embora não possa estar com o meu, é bom saber que está com saúde e que está feliz...

Gosto muito de ti Pai.

quarta-feira, 18 de março de 2009

O primeiro emprego

Acabei de chegar de um cocktail de boas-vindas a uma empresa internacional que, embora já esteja na Madeira há 5 anos, mudou agora para instalações que pertencem à empresa em que eu trabalho.

Durante o cocktail reconheci um antigo aluno meu da Universidade da Madeira e em conversa, vim a saber que tinha terminado o curso no ano passado e conseguido o emprego há muito pouco tempo. Tinha sido seleccionado de entre 100 concorrentes de todo o país. Devo notar que todos os quadros da empresa são portugueses, excepto do director geral da delegação, mas que no primeiro processo de selecção não entraram nos quadros nenhuns antigos alunos da Universidade da Madeira.

Fiquei contente por ver um ex-aluno meu vencer e progredir desta forma...

Notícia em Destaque - "2010 pode ser o ano da recuperação"

Será esta a luz ao fundo do túnel?

Lê-se no Económico:

O próximo ano poderá ser um ano de retoma moderada do crescimento, se a confiança regressar aos mercados e à economia, disse hoje Jean-Claude Trichet.

"Penso que o ano de 2009 será muito, muito difícil", disse Trichet à rádio "Europe 1". No entanto, "há um consenso entre instituições públicas e privadas de que 2010 pode ser o ano de uma modesta recuperação do crescimento", acrescentou.

Questionado sobre a adopção de medidas como a compra de activos de empresas, Trichet respondeu que "estamos a considerar, no momento, se é apropriado adoptar medidas complementares".

"Continuamos vigilantes, e tanto na esfera monetária como na fiscal é importante tomar decisões audaciosas quando necessário, e ao mesmo tempo assegurar e inspirar confiança na nossa capacidade de manter a estabilidade dos preços no médio e no longo prazos", frisou.

O BCE cortou em Março a taxa de juro para 1,5%, o valor mais baixo de sempre.

In Económico

António Nobre

No dia 18 de Março de 1900, morria no Porto o poeta António Nobre.

Da Infopédia:

Poeta português, nascido em 1867, no Porto, e falecido a 18 de Março de 1900, na mesma cidade. A infância e a adolescência de António Nobre foram passadas entre Leça da Palmeira, onde o pai, antigo emigrado no Brasil, possuía uma quinta, e a Foz do Douro. Tendo estudado em colégios do Porto, frequentou os principais centros da boémia portuense, convivendo com figuras literárias como Raul Brandão e Júlio Brandão e publicando criação poética. Frequentou posteriormente a Faculdade de Direito de Coimbra, onde, com Alberto de Oliveira, fundou a revista Boémia Nova, cuja polémica com a publicação de Insubmissos, de Eugénio de Castro, constituiu um marco na emergência do Simbolismo e do Decadentismo em Portugal. Foi em Coimbra que, habitando a fortificação medieval que ficaria conhecida como "Torre de Anto", se acentuou o culto por uma postura romântica e egocêntrica, e que elaborou grande número das composições que viriam a integrar a sua principal obra publicada em vida. Em Paris, desde 1890, forma-se em Direito na Sorbonne e, conquanto à margem da dinâmica literária francesa que, por essa altura, consagra o Simbolismo, publica , em 1892, obra onde a voz do lusíada exilado reinventa, entre nostálgico e auto-irónico, uma existência que, nutrida nas tradições de um Portugal puro e preservado, o votou à solidão e ao sofrimento. Não chegando a ocupar o lugar de cônsul para que concorrera em 1893, os últimos anos de vida de António Nobre serão marcados por deslocações frequentes entre os lugares da sua infância e juventude e lugares de repouso, como a Suíça e a Madeira. Uma leitura literal de um biografismo assumido com emotividade e a evocação de um "Portugal da minha infância", vislumbrado em paisagens rurais e em textos plasmados sobre formas populares, permitiu que a publicação de surgisse como um modelo a um tempo de uma estética neo-romântica e neogarrettista que, pelo menos desde o início dos anos 90, fora elaborando as suas propostas teóricas. Mas, na verdade, o mais original do volume passa por uma forma antideclamatória que, inserindo-se num dolorismo e confessionalismo lírico, frequentemente de inspiração autobiográfica, busca a impressão de extrema simplicidade, delindo na sua elaboração a cultura literária e o rigor construtivo que lhe subjazem. É neste sentido que António Nobre se insere numa poesia portuguesa pré-modernista, ao colocar em questão uma língua poética fortemente convencional e normativa. Segundo Gastão Cruz, "enquanto Cesário revoluciona fundamentalmente o nível linguístico, através da renovação vocabular, a revolução de Nobre, não deixando de situar-se igualmente num plano semântico, e por vezes com uma liberdade de associações e uma violência que encontram o que encontramos em Cesário [...], abala, pela primeira vez, os alicerces, e toda a construção, do edifício romântico-parnasiano." (CF. CRUZ, Gastão - A Poesia Portuguesa Hoje, 2.ª ed. aum., Lisboa, Relógio d'Água, Lisboa, 1999, pp. 20-21). No ano de 2000 comemorou-se o centenário da sua morte, através de publicações que relembram a sua vida pessoal e poética, entre outros eventos. Bibliografia: Só, Paris, 1892; Ao Cair das Folhas, Lisboa, 1895; Despedidas, Porto, 1902; Lisboa: Poesia, Lisboa, 1914; Primeiros Versos, Porto, 1937; Canção da Felicidade, Porto, 1951; Alicerces, seguido de Livro de Apontamentos, Lisboa, 1983; Cartas e Bilhetes Postais a J. de Montalvão, Porto, s/d; Cartas Inéditas de António Nobre, Coimbra, 1933; Correspondência com Cândida Ramos, Porto, 1981; Correspondência, Lisboa, 1982

António Nobre. In Infopédia [Em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2009. [Consult. 2009-03-18]