quinta-feira, 24 de janeiro de 2013

Julia Lezhneva - Exultate Jubilate (Mozart)

Uma das vozes mais promissoras da actualidade. Uma interpretação extraordinária do "Alleluia" do  "Exsultate, jubilate, K165" de Mozart.

One of the most promising voices of our times. An extraordinary interpretation of "Alleluia" from Mozart's "Exsultate, jubilate, K165".


terça-feira, 22 de janeiro de 2013

terça-feira, 15 de janeiro de 2013

Tiago Matos (Barítono/Baritone)

(in english bellow)

Descobri recentemente a voz do jovem barítono Tiago Matos ao visionar no YouTube, um vídeo com a sua interpretação de Mein Sehnen, Mein Wähnen (Die Tote Stadt, Korngold) no Palais Ganier de Paris.

Oiçam, com atenção...




Muito bom, não é? Claro que sim!

Entrei em contacto com o Tiago através do Facebook, falando-lhe do Outras Escritas e do interesse que tenho em seguir a carreira de jovens cantores líricos portugueses. O Tiago gentilmente aceitou o meu pedido de amizade e enviou-me o seu currículo que demonstra que, apesar da sua idade (23 anos), o cantor tem um início de carreira bastante "recheado" e promissor.

Destaco entre outros: a obtenção do  1º Prémio “Cidade de Lisboa” e do Prémio Melhor Interpretação Lied/Mélodie “Câmara Municipal de Cascais” do 6º Concurso de Canto Lírico da Fundação Rotária Portuguesa; e as interpretações de: Escamillo em Carmen – G. Bizet, Júpiter em Orphée aux enfers - J. Offenbach; Pai em Hänsel und Gretel - E. Humperdinck; Bandido e Sábio em A Floresta – E. Carrapatoso; Mestre de Música em Il Maestro di Capella - D. Cimarosa; Sacerdote di Bello em Nabucco – G. Verdi e Janino em O Basculho de Chaminé – M. Portugal.

Em Outubro de 2012 o Tiago foi admitido no Atelier Lyrique da Ópera Nacional de Paris onde na presente temporada irá cantar os papeis de Enrico e Bonafede nas óperas L’Isola Disabitata e Il Mondo della Luna, ambas de J. Haydn.

Estarei atento à carreira do Tiago e voltarei a falar dele aqui no Outras Escritas.


I discovered recently the voice of the young portuguese baritone Tiago Matos on a YouTube video with his interpretation of Sehnen Mein, Mein Wähnen (Die Tote Stadt, Korngold) Ganier Palais in Paris.

Listen carefully (video above)...

Very good voice and interpretation, isn't it? Yes it is...

I got in touch with Tiago through Facebook, telling him of about Outras Escritas and the interest I have in following the careers of young Portuguese singers. Tiago graciously accepted my friendship request and sent me his resume that shows that, despite his age (23 years), the singer has a very intense performance experience.

Among others I' like to emphasize: the 1st prize “Cidade de Lisboa” and best Lied/Melodie interpretations prize “Câmara Municipal de Cascais” from the 6th Lyrical Singing Competition of Fundação Rotária Portuguesa; and the interpretation of: Escamillo from Carmen – G. Bizet, Júpiter from Orphée aux enfers - J. Offenbach; Pai from Hänsel und Gretel - E. Humperdinck; Bandido e Sábio from A Floresta – E. Carrapatoso; Mestre de Música from Il Maestro di Capella - D. Cimarosa; Sacerdote di Bello from Nabucco – G. Verdi and Janino from O Basculho de Chaminé – M. Portugal.

We will follow Tiago's career here on Outras Escritas.


segunda-feira, 7 de janeiro de 2013

Mariella Devia e Gregory Kunde em Il Pirata de Bellini / Mariella Devia and Gregory Kunde in Il Pirata by Vincezo Bellini

(in english bellow)

Acabei de ouvir em directo na Rádio Catalunya Musica a última récita da ópera Il Pirata de Vincenzo Bellini no Gran Teatro del Liceu de Barcelona.

Esta ópera, é pouco apresentada nos teatros de ópera actualmente, uma vez que representa um "tour de force" para o soprano, no papel de Imogene, e para o tenor no papel de Gualtiero. No passado destacam-se as interpretações de Callas e de Caballé (que dizia que cantar Imogene é mais difícil que cantar Norma).

Para estas récitas, em versão concerto, o Teatro del Liceu não poderia ter escolhido melhor dupla de cantores: o soprano italiano Mariella Devia e o tenor americano Gregory Kunde.

Mariella Devia, aos 64 anos, interpreta magistralmente a partitura. Não há uma falha na linha melódica, o legatto é irrepreensível e a beleza tonal notável. Até consegue umas notas graves de peito com um volume apreciável, coisa que não é comum na cantora.

Gregory Kunde enfrenta com bravura a difícil partitura para tenor. Bellini escreveu o papel de Gualtiero para o tenor Giovanni Rubini e, por isso, numa tessitura muito aguda. Kunde, que já não é novo, foi extraordinário em todos os registos e ainda nos brindou com alguns agudos que não estão na partitura. Pessoalmente gosto muito da voz do tenor que já tive oportunidade de ouvir em Barcelona na ópera Anna Bolena.

O resto do elenco esteve bem, nomeadamente o barítono Vladimir Stoyanov.

Segue-se um vídeo com a captação audio da cena final (4 de Janeiro).


I just heard live on Catalunya Radio Music he last performance of the opera  Il Pirata by Vincenzo Bellini at Gran Teatro del Liceu in Barcelona.

This opera is not presented in much these days, since it's a "tour de force" for the soprano, in the role of Imogene, and for the tenor in the role of Gualtiero. In the past the interpretations of Callas and Caballé (that said Imogene singing is harder to sing Norma) are references.

For these performances, in concert version, the Teatro del Liceu could not have chosen a better pair of singers: italian soprano Mariella Devia and american tenor Gregory Kunde.

Mariella Devia, at 64, interprets the score masterfully. There is not a flaw in the melodic line, the legatto is impeccable and the voice is beautiful. Even in the lower register, the singer managed quite well some chest notes.

Gregory Kunde bravely faces the difficult score of the tenor. Bellini wrote the role of  Gualtiero for the tenor Giovanni Rubini and therefore a very high tessiture. Kunde, in his fifties  was extraordinary in all registers and even offered us some highs that are not in the score. Personally I love the tenor's voice  who had an opportunity to listen in Barcelona at the opera Anna Bolena.

The rest of the cast was good, baritone Vladimir Stoyanov in particular.

Above a video of the final scene (January 4th).

sábado, 5 de janeiro de 2013

Julia Lezhneva

(In english bellow)
Julia Lezhneva, uma soprano com pouco mais de vinte anos, continua a consolidar uma carreira que se prevê de sucesso.

A cantora tem um contrato com a Decca e prepara-se para lançar um álbum com o seu próprio nome (com Il Giardino Armonico dirigido por Giovanni Antonini).

Na página da Decca no YouTube encontra-se o vídeo seguinte, com uma interessante entrevista com Lezhneva.


Julia Lezhneva is a soprano in her early twenties, with a very promising career. The singer has a contract with Decca and is preparing a new album (with Il Giardino Armonico and Giovanni Antonini).

On Decca's YouTube page you can find the following video, with an interesting interview with Lezhneva.


quarta-feira, 2 de janeiro de 2013

A Stuarda da DiDonato / Joyce DiDonato's Stuarda

(In English bellow)

Considero Joyce DiDonato uma das melhores cantoras da actualidade. No entanto, não entendo porque decidiu interpretar o papel de Maria Stuarda na ópera homónima de Gaetano Donizetti. Como se pode ver (ouvir) nos vídeos que se seguem captados na récita de 31 de Dezembro no MET, a voz da cantora está longe de ser ideal para este papel.

Terá sido DIDonato inspirada pela interpretação de Dame Janet Baker nos anos 1980?



I consider Joyce DiDonato one of the best singers of our days. However, I do not understand why she decided to play the role of Maria Stuarda in the opera with the same name by Gaetano Donizetti. As you can see (hear) in the videos that follow, captured in Dec. 31 at the MET, the singer's voice is far from ideal for this role.

Does DiDonato been inspired by the interpretation of Dame Janet Baker in the 1980s? I don't know...


terça-feira, 1 de janeiro de 2013

Humidade e ponto de orvalho

Sempre me intrigou o facto de se dizer que na Madeira o facto de o grau de humidade ser muito elevado nos levar a que ao mais pequeno esforço fiquemos transpirados em excesso. Isto acontece principalmente no verão, embora a temperatura do ar não seja muito elevada.

O que me intrigava era o facto de, ao consultar os dados sobre a humidade num local considerado mais "seco", como o Alentejo, encontrar valores superiores ao da humidade no Funchal (podem verificar isso, por exemplo, para Estremoz e para o Funchal).

Um pouco de pesquisa na Internet, levou-me a concluir que não é o valor de humidade que deve ser levando em consideração no que diz respeito ao desconforto, mas sim o "ponto de orvalho" (dew point em inglês).

A definição de ponto de orvalho é (da Wikipédia em português do Brasil):


Ponto de orvalho designa a temperatura à qual o vapor de água presente no ar ambiente passa ao estado líquido na forma de pequenas gotas por via da condensação, o chamado orvalho.[1]. Em outras palavras, é a temperatura à qual o vapor d'água que está em suspensão no ar à nossa volta condensaria (viraria "orvalho") sob a mesma pressão.
É o ponto onde ocorre a saturação do ar pelo decréscimo de temperatura, reduzindo, assim, a capacidade do ar atmosférico para conter o vapor d’água.
O ar presente no ambiente é composto por vários tipos de gases, partículas em suspensão e também água no estado gasoso. A quantidade de água que um metro cúbico de ar contém define a humidadeabsoluta. Se for introduzida humidade numa determinada massa de ar a sua humidade absoluta vai aumentando.
O ponto de orvalho sempre é inferior ou igual à temperatura do ar; jamais superior a ela. Quando o ponto de orvalho é inferior à temperatura do ar, significa que o ar não está saturado de humidade (a humidade relativa do ar é inferior a 100%) e ele ainda pode contém mais vapor d'água. Se o ponto de orvalho aumenta ou se a temperatura do ar diminui, o ar vai ficando mais saturado de humidade (a humidade relativa do ar aproxima-se de 100%). Quando o ponto de orvalho se iguala à temperatura do ar, o ar fica saturado de humidade (a humidade relativa do ar atinge 100%). A partir daí, se a temperatura do ar baixa, o ponto de orvalho acompanha (baixa junto), pois nunca poderá ser superior à temperatura do ar. O excesso de humidade, portanto, condensa gerando orvalho, processo que retira o excesso de vapor d'água do ar e dá origem a fenômenos como geada, nevoeiro, chuva ou neve.

E a sensação de desconforto está associada aos seguintes valores:
  • Abaixo de 10°C significa desconforto do tipo "secura".
  • De de 10°C a 16°C significa confortável.
  • Acima de 16°C significa desconforto do tipo "mormaço".
  • Acima de 21°C significa muito desconforto.
  • Acima de 24°C significa desconforto extremo.
Compare a duas seguintes situações. Quando a temperatura em um cidade está 36°C, mas o ponto de orvalho está mais baixo, digamos 12°C, significa que seria necessário baixar muito a temperatura para a água condensar sob mesma pressão. Isso porque, para a temperatura e pressão em questão, há pouca umidade no ar. Dessa forma, mesmo estando quente, o suor da pele evapora rapidamente, baixando a temperatura do corpo.
Mas quando a temperatura está em 36°C e o ponto de orvalho está em, por exemplo, 20°C, o suor da pele não evapora com facilidade pois já há muita umidade no ar. Daí, além do suor não conseguir tirar o calor do corpo de forma eficiente, ele não seca, causando a sensação de desconforto (como ficar "grudento"). Por isso a sensação de mormaço.


Assim, tudo bate certo! Se repararem, o ponto de orvalho no Funchal está geralmente em valores próximos de 16 ºC ou superiores.