domingo, 31 de outubro de 2010

Mariella Devia em I Puritani de Bellini (vídeo de má qualidade)

A qualidade do vídeo é bastante má e a parte de áudio também não é grande coisa, no entanto, acho  curiosa a interpretação de Mariella Devia da ária Son virgin vezzosa da ópera I Puritani de Bellini.

Não sei se para mostrar as capacidades vocais da senhora, ou se por decisão do maestro, a ária é bastante alterada face ao original de Bellini (afirmo isto com base nas interpretações que conheço e não porque tenha consultado a partitura). Devia transforma a ária num tour de force (dura seis minutos contra os habituais quatro) e introduz variações que muitos devem considerar que nada têm a ver com a composição ou o estilo de Bellini. No que me toca, partilho essa opinião. Há partes da ária que se tornam quase "rossinianas", o que não me parece ser nada indicado.

De qualquer forma, e como é habitual, Devia interpreta a ária magnificamente, sem qualquer esforço e em muito boa voz. Reparem como a cantora na nota sobre-aguda final (ré) sai a saltar de palco sem que se note qualquer oscilação na voz, revelando uma técnica soberba.




Já agora, deixo outro vídeo com a cantora numa interpretação da mesma ária, mas sem as variações anteriores. Para mim o resultado é bem mais conseguido. Mais uma vez a senhora apresenta-se em excelentes forma vocal (mais uma vez o vídeo é de má qualidade).

sábado, 30 de outubro de 2010

Ópera "O Salto" esteia hoje no Funchal

Estreia hoje no Teatro Baltazar Dias no Funchal, a ópera "O Salto" composta por Jorge Salgueiro e com libretto de Miguel Esteves Cardoso.

Laura Claycomb

Muitos não gostarão da abordagem de Laura Calycomb à ópera Lucia di Lammermoor. Eu acho-a diferente do usual. Não é perfeita nem extraordinária, mas é diferente e de interessante audição.





quinta-feira, 28 de outubro de 2010

coloraturafan (parte II)

Deixou de existir no YouTube o utilizador coloraturafan e logo de seguida o utilizador coloraturafan2 começou a estar mais activo (evidentemente que se trata da mesma pessoa.

Deixo-vos com um vídeo que evidencia as características que ontem referi. Neste caso, o utilizador sugere uma comparação entre cantoras que representam a mesma cena, o famoso confronto entre a rainha da Escócia, Maria Stuarda (Mary Stuart), e a rainha de Inglaterra, Elisabetta (Elizabeth I). A ópera chama-se Maria Stuarda e foi composta por Gaetano Donizetti em 1835.

Já agora... Na vossa opinião quais são as três melhores interpretações?


quarta-feira, 27 de outubro de 2010

Detesto

Detesto os que dizem que não gostam de políticos, mas não apresentam soluções e que são tão demagogos quanto eles

Detesto MentirasAldrabões e Aldrabices

Detesto os que se julgam Santos e os Pseudo-inteligentes

Detesto MolengõesCobardolasBonzinhosCertinhos

Detesto os que Falam Alto e os que Sussurram

Detesto os que se Armam em Vítimas

Detesto os que Sabem Tudo e os que Comem Tudo

Detesto os Orgulhosos que não sabem Errar e muito menos aprender com os Erros

Detesto a Falsa Humildade

Detesto Facilitismos e Imaturidade

Detesto os que pouco fazem e nunca têm tempo

Detesto Carros de Alta Cilindrada

Detesto Futebois e Pintos da Costa

Detesto Desperdício

Detesto o Outono e o Cair da Folha

Detesto os que gostam de Fazer a Folha

Detesto não saber como acabar este post
Mas enfim, acabou-se e pronto! Tenho dito...

coloraturafan

O coloraturafan era, porventura, o utilizador do YouTube com o maior número de vídeos de ópera carregados. Como grande amante desta arte, o utilizador não se limitava a disponibilizar os vídeos, incluindo neles, a maioria das vezes informação relevante sobre as obras, os compositores e os interpretes.

No Outras Escritas existem inúmeros posts com vídeos do coloraturafan, que hoje deixaram de estar disponíveis. O YouTube resolveu fechar definitivamente a conta do utilizador por violação de copyrights.

Não pondo em questão os direitos, sou obrigado a reconhecer que esta é uma perda enorme para os amantes de ópera que, como eu, não têm possibilidades de ver muitos espectáculos ao vivo. Gostaria de ver o que aconteceria ao YouTube se fossem retirados todos os vídeos que violam copyrights.

Penso que o mundo da ópera fica assim mais pobre!

terça-feira, 26 de outubro de 2010

Hoje - o novo noticiário da RTP2


Devido ao horário, e ao facto de ter uma duração exacta de 40 minutos, o noticiário da RTP 2 sempre foi o meu preferido. Gostava do seu formato sóbrio e simples, dos apresentadores e das entrevistas diárias, tudo isto aliado ao facto de apenas serem dadas as notícias essenciais e de não ser dada demasiada importância ao desporto (leia-se, futebol).

O Jornal 2 mudou recentemente de nome para "Hoje". Infelizmente não mudou só de nome. Os cenários estão completamente "apalhaçados", os apresentadores são os "meninos da moda" e passam o tempo em pé e, a não ser que eu esteja enganado, convidaram o Santana Lopes, imagine-se, para fazer comentário político.

Haja paciência... Voltem por favor ao antigo formato!

segunda-feira, 25 de outubro de 2010

Travessuras da Menina Má

Como o prometido é devido, acabei de receber um pacote postal vindo de Braga com o livro Travessuras da Menina Má do Vargas Llosa, empréstimo da minha amiga Reflexos.


Obrigado amiga, prometerei ser breve na leitura e reenviar o livro por correio, juntamente com o envelope e os selos.

Actualização: Afinal o livro foi oferecido. Triplamente obrigado, amiga. Pelo envio, pelo livro e pela surpresa.

domingo, 24 de outubro de 2010

Joan Sutherland


Esta é a minha colecção de obras de Joan Sutherland.

Clicar para aumentar

sábado, 23 de outubro de 2010

sexta-feira, 22 de outubro de 2010

Nuvens

Depois da tempestade de ontem, o cenário de hoje é bem diferente. Formaram-se sobre a cidade uma série de cúmulos, situação algo invulgar por aqui (pelo menos que eu tenha conhecimento).
Aqui ficam duas fotografias captadas há momentos.



Joyce DiDonato 2010 Echo Klassik “Singer of the Year”

Joyce DiDonato, um dos melhores mezzo-sopranos da actualidade, recebe o 2010 Echo Klassik “Singer of the Year”.


Interpreta a ária final da ópera La Donna del Lago de Rossini.

quinta-feira, 21 de outubro de 2010

Afinal foi só um susto (mau tempo na Madeira)

Aparentemente o pior já passou. A chuva não tem caído com tanta intensidade e a população está bem mais calma.

Talvez tenha havido exaltação em demasia e pânicos exagerados. Tal é totalmente compreensível face ao que se passou em 20 de Fevereiro. Passaram apenas oito meses o que é um período demasiadamente curto para que as chuvas intensa possam ser encaradas como naturais e inofensivas.

Mau tempo na Madeira

As coisas por aqui não estão nada boas em termos meteorológicos. As ribeiras estão a ficar cheias e a chuva, que agora abrandou, continuará em força até à madrugada de amanhã.

Espero que não haja alarme...

quarta-feira, 20 de outubro de 2010

Mariana Rey Monteiro



Morre uma das grandes actrizes portuguesas.

Bianca e Falliero (Rossini)

Resolvi hoje tentar a sorte uma vez mais com as rádios on-line do iTunes. Há uma rádio que se chama  All Opera Music e que me chamou a atenção.

Carreguei no botão sem grandes esperanças de ouvir algo que me agradasse. Vai ser qualquer coisa "a la Puccini" ou ainda pior, pensei.

Não desta vez. Começo a ouvir a voz da Horne numa ária da ópera Bianca e Falliero de Rossini, e venho a concluir que estão a transmitir a ópera na íntegra. Do elenco fazem parte para além de Horne, Katia Ricciarelli (que não aprecio por aí além) e Chris Merritt (fantástico).

Curiosamente há um vídeo no youtube com uma síntese da ópera. Aqui fica.

Nota: a referência depreciativa a Puccini nada tem a ver com a qualidade do obra do compositor. É apenas uma questão de gosto pessoal.


terça-feira, 19 de outubro de 2010

Frutos de Outono

Estava aqui, sentado no sofá, preparado para escrever um post com um rol enorme de queixas contra tudo e contra todos, quando me lembrei, que ontem me ofereceram quatro romãs enormes.

A romã sempre foi um fruto que me fascinou. Não é um fruto fácil porque dá um trabalhão a descascar e tem que ser comido na altura certa. Se não está madura, a romã provoca um travo desagradável na boca e se está madura demais, sabe a podre. Au point, tem um sabor maravilhoso.

Já comi duas das quatro. Demoro meia hora a separar todos os bagos das cascas e depois uns bons quinze minutos a deglutir tão apetecível manjar.


segunda-feira, 18 de outubro de 2010

Lisboa


Lisboa é a minha cidade de eleição em Portugal. É, sem dúvida, a cidade mais bonita do país e um local onde me sinto em casa, independentemente de todos os problemas inerentes a uma cidade com a sua dimensão.

Infelizmente, nunca vivi em Lisboa, mas devo confessar-vos que não me importava nada. Mas atenção! Quando digo "viver em Lisboa" refiro-me a Lisboa cidade e não aos tristes arrabaldes onde tanta gente é obrigada a viver.

Recebi hoje um postal de Lisboa. Foi-me enviado pela minha amiga Reflexos, que nasceu e sempre viveu no Norte e que, eventualmente, não terá a mesma opinião que eu sobre a cidade. Sei, no entanto, que adorou o passeio que lhe sugeri no eléctrico 28.

Obrigado...

domingo, 17 de outubro de 2010

O Duca de Flórez

Ao ver no canal Mezzo, uma récita do Rigoletto com Flórez e Damrau em Dresden, consigo entender perfeitamente as razões que levaram o tenor a cancelar todas as interpretações que tinha previstas para esta ópera. A sua voz, não é, por enquanto adequada ao Duca. A tessitura é demasiadamente baixa, o que origina alguma falta de brilho.

O próprio tenor admitiu este facto publicamente.

Aguardemos uns anos...

sexta-feira, 15 de outubro de 2010

Joan Sutherland (I Puritani)


Descobri na Amazon, que estará disponível no dia 1 de Novembro, um duplo CD com uma gravação ao vivo da ópera I Puritani de Vincezno Bellini em que Joan Sutherland interpreta Elvira.

A gravação é do ano de 1960 e foi captada em GlynderbourneNão será de esperar grande qualidade sonora, mas Sutherland estará certamente em topo de forma e na fase "pré-Bonynge".
O maestro é Vittorio Gui.













Review

The Glyndebourne performance is persuasive. Joan Sutherland is the heroine with such art and high accomplishment. --Financial Times 25 May 1960



With Joan Sutherland singing Elvira with extraordinary beauty of tone and line, and the orchestra playing with a new freedom, spontaneity and a welcome lack of affectation, Glyndebournes new production justifies itself. --The Observer 29 May 1960

Vittorio Gui conducts with an ideal blend of gentleness and high spirits, warmth and dash. The RPO and the excellent Glyndebourne Chorus are in good form --Spectator 3 June 1960

CD Description

Italian conductor Vittorio Gui was Glyndebournes musical director from 1951 1963, and introduced a strong Italian theme in his programming Rossini and Bellini amongst them. Bellinis last and arguably richest opera I Puritani, comes from Glyndebournes recording archive, dated 1960 and was the first performance of this opera in Britain since 1887. This is Joan Sutherlands debut in the role of Elvira. This young and extraordinary bel canto talent is the heroine in this production. She has a beauty of tone, her voice fluent and eloquent, the intimate confines of the Glyndebourne opera house allowing the warm glowing colour in Sutherlands voice to radiate. So acclaimed was this production that it was selected for Glyndebournes return to the Edinburgh Festival after a 4 year absence and Sutherland, so in love with her Glyndebourne costumes was she, that she borrowed them from the production for her performances as Elvira at the Gran Teatro del Liceo in Barcelona in December 1960.

quinta-feira, 14 de outubro de 2010

Joan Sutherland

Interpretação ao vivo da ária Nella pace del mesto riposo, da ópera Maria Stuarda de Gaetano Donizetti. Depois de ouvir, apenas uma palavra ecoa no meu pensamento: PERFEIÇÃO.


quarta-feira, 13 de outubro de 2010

Ainda Joan Sutherland

Por estes dias lá em casa, apenas se ouve a voz de Joan Sutherland. Em CD, DVD e no Ipod.


VIVA LA STUPENDA PRIMA DONNA ASSOLUTA

Sutherland interpretou muito pouco Rossini, durante a sua longa carreira. Exceptua-se a ópera Semiramide, que interpretou magistralmente.

Segue-se uma interpretação da ária Bel ragio lusinghier (Semiramide) de 1960 que nos mostra uma Sutherland em topo de forma. Chamo a atenção para a nota sobre-aguda, que é um mi natural (e não o usual mis bemol).

Archivio La Scala


A propósito da morte de Joan Sutherland foi-me dado a conhecer o arquivo do Teatro Alla Scala, que tem um vasto espólio de  fotografias das produções do teatro.


Para ter acesso basta fazer inscrição.

terça-feira, 12 de outubro de 2010

Joan Sutherland (1926-2010) - Antena 2

Aqui ficam os links para os programas Baile de Máscaras (11/10/2010) e Império dos Sentidos (12/19/2010) onde a carreira de Joan Sutherland foi largamente referenciada.

Baile de Máscaras

Império dos Sentidos

Joan Sutherland (1926-2010) - As despedidas de palco

Em Sidney primeiro e depois em Londres, Joan Sutherland despedia-se dos palcos desta forma no final de 1990.



O jornal Público destaca a morte de Joan Sutherland (com fotografia na primeira página)



Morreu Joan Sutherland, "La Stupenda"

Por Sérgio C. Andrade
A soprano australiana, vista como a herdeira de Callas e uma das mais extraordinárias cantoras de ópera do século XX, actuou em Lisboa em Abril de 1974
Augusto M. Seabra diz que foi "uma das noites mais memoráveis" da sua vida: começou no Coliseu dos Recreios a ouvir Joan Sutherland cantar La Traviata de Verdi, ao lado de Alfredo Kraus, e continuou, madrugada fora, a festejar a revolução que iria acabar com os 48 anos de ditadura fascista em Portugal.



O crítico de música e ensaísta recorda "o momento premonitório" em que, nessa noite de 24 de Abril, perante um Coliseu cheio e em delírio depois de ouvir a grande soprano australiana, a Joan Sutherland "foi oferecido um ramo de cravos vermelhos".

Rui Esteves, que foi programador do 2.º Canal da RTP e que viria a conhecer bem a soprano, não esteve no Coliseu nessa noite histórica, mas diz que Joan Sutherland lhe contou como tinha ficado "surpreendida no hotel, com o marido, o maestro Richard Bonynge, sem saberem o que se estava a passar em Lisboa" - com uma carrinha, a British Airways deixou o casal em Espanha a caminho de Londres.

São memórias da única passagem e actuação em Portugal da cantora que morreu no domingo na Suíça, na sua casa junto ao lago de Genebra, aos 83 anos. "Faleceu calmamente, após uma longa doença", disse a família num comunicado destinado aos amigos e admiradores de Dame Joan Sutherland (n. Sydney, 1926) e citado pela AP.

Augusto M. Seabra recorda ainda que, nesse distante Abril, a soprano se apresentou, nos dias 18 e 21, no Teatro Nacional São Carlos - "como de costume, o primeiro concerto, à quinta-feira, era só para convidados, seguindo-se o de domingo à tarde e o de quarta à noite (este já no Coliseu) para o restante público". O crítico assistiu aos dois últimos, e aí confirmou ao vivo a ideia que já tinha de que Joan Sutherland era "uma das grandes intérpretes do século XX, a digna sucessora de Maria Callas", com quem, aliás - e também premonitoriamente, realça Seabra -, tinha contracenado fazendo um pequeno papel no início da sua carreira. "Era uma estilista incomparável", que, na senda de Callas, continuou o trabalho de redescoberta e devolução à cena da tradição do bel-canto e da ópera italiana do século XIX".

Rui Esteves reforça a ideia, destacando a "técnica deslumbrante", mas também a "personalidade divertida", com quem privou, por exemplo, em Cardiff, quando Joan Sutherland e Marilyn Horne se tornaram patronas do famoso concurso da BBC Cardiff Singer of the World.

O ex-programador da RTP recorda também que a televisão portuguesa foi co-produtora do espectáculo de despedida dos palcos de Joan Sutherland, na noite de 31 de Dezembro de 1990, no Covent Garden - onde a cantora, de resto, tinha iniciado a fase europeia da sua carreira, em 1952 -, quando ela aparece ladeada por Horne e por Luciano Pavarotti, no 2.º acto da ópera O Morcego, de J. Strauss, também dirigida por Richard Bonynge.

Nessa noite, Pavarotti classificou Joan como "a maior soprano de coloratura de todos os tempos". Os melómanos italianos designavam-na como "La Stupenda".

Joan Sutherland (1926-2010)

segunda-feira, 11 de outubro de 2010

Joan Sutherland

Partilho com os leitores do Outras Escritas um post que aqui publiquei no dia mundial da música do ano de 2008.


Já disse aqui várias vezes que sou um apaixonado pela ópera. Às vezes penso que, além de paixão o meu gosto pela ópera é uma "tara" ou mesmo um vício.


Como hoje é o dia mundial da música, achei por bem partilhar convosco como descobri o mundo da ópera.

Na década de 1990 os concertos dos três tenores (Pavarotti, Domingo e Carreras) estavam na moda. O canto lírico tinha saído dos teatros de ópera e invadido os parques das principais cidades do mundo. Milhares de pessoas assistiam a estes concertos no Central Park de Nova Iorque ou no Hyde Park de Londres.
Discos, vendiam aos milhões.

Eu já conhecia o Pavarotti antes de ter tido contacto com os CD e DVD dos concertos dos três tenores. Sempre tinha sido o meu tenor de eleição.

Um dia, em meados da década de 1990, ouvi na Antena 2 uma ária de ópera interpretada pelo Pavarotti que me chamou a atenção. No final da ária, o apresentador referiu que era uma das árias mais difíceis para tenor, uma vez que incluía nove "Dós de peito". Claro que, na altura, eu não fazia a mínima ideia do que era um "Dó de peito", mas resolvi investigar. Fixei também o nome da ópera em questão: "La Fille du Regiment" do compositor italiano Gaetano Donizetti.

Na primeira oportunidade, adquiri um conjunto de dois CD de "La Fille du Regiment". Ouvi uma vez e gostei muito. Gostei especialmente da voz feminina. Uma voz bela, clara, potente e com notas agudas soberbas. Ouvi outra vez, e outra...

Joan Sutherland era o nome da senhora. Comecei a investigar a sua carreira e vim a descobrir que foi um dos melhores sopranos de sempre e que existe um legado extraordinário da sua carreira em CD e DVD.

A partir daí comecei a comprar compulsivamente CD, DVD e livros de, e sobre ópera. Descobri um mundo fascinante de cantores, compositores, maestros, encenadores e teatros. Passei a assistir a récitas com alguma regularidade. Algumas delas inesquecíveis.

Obrigado Joan Sutherland, que mesmo depois de ter terminado a sua carreira, me deu a conhecer o mundo da ópera.

Morreu Dame Joan Sutherland


Neste dia já tão triste para mim, acabo de saber que morreu ontem, 10 de Outubro a cantora cuja voz me ensinou a gostar de ópera.

Dame Joan Sutherland deixou-nos aos 83 anos.

Obrigado por tudo querida Joan.


VIVA LA STUPENDA!

Fazes-me falta...


Funchal, 11 de Outubro de 2010


Meu querido Pai

Faz hoje um ano que te foste embora, sem teres tido oportunidade de uma despedida. Partiste, assim de mansinho e aos poucos, depois de uma luta inglória que durou tempo demais e que não conseguiste vencer.
Desde essa altura que não me é permitido falar contigo, ouvir-te, ver-te ou sentir a tua presença.

Vivemos separados a maior parte das nossas vidas porque eu saí cedo de casa para poder estudar e nunca mais voltei, a não ser em tempos de férias, ou a meio de viagens de trabalho. A minha ausência implicava que não falássemos muitas vezes, mas era bom poder ouvir-te ao telefone pelo menos uma vez por semana e quando eu chegava ao Alentejo para uma visita, era muito bom ouvir-te dizer: "Então como está o meu querido filho?"
Ai, como tenho saudades de ouvir-te chamar-me "meu querido filho"!

Com a idade, foste ficando mais ternurento, meigo e sossegado, e isso foi bom para o nosso relacionamento. Parece que te sentia mais próximo de mim e que estávamos mais à vontade um com o outro. Notei isto, quando passaste a não suportar as nossas despedidas. Ias-te embora e ficavas sozinho enquanto eu partia.

Há um ano inverteram-se os papéis, partiste tu e deixaste-me a mim e a todos os que gostam de ti, mais sozinhos e mais tristes. Sei que não tens culpa e que provavelmente terias ficado, se isso dependesse só de ti, mas na verdade, fazes-me falta pai, fazes-me muita falta.

Um beijo do teu filho

Alberto

sábado, 9 de outubro de 2010

Antevisão - Barcelona Fevereiro 2011 (II)

Edita Grubervá interpreta a a ária Al dolce guidame, da cena final da ópera Anna Bolena de Gaetano Donizetti (vídeo de má qualidade).

Curiosamente quer Gruberová quer Mariella Devia interpretam parte da ária deitadas nos chão, o que não é tarefa nada fácil e demonstra a técnica soberba que ambas possuem.

O antigo e o novo


O meu Ipod Classic de 80 Gb avariou já há um tempo. Arranjá-lo ficava demasiadamente caro, pelo que decidi fazer a minha última extravagância, antes do aperto do cinto que o Sr. Engenheiro no vai impôr.


Comprei o novo Ipod Nano de 16 Gb, um quadradinho minúsculo, mas com muitas potencialidades.
O seu tamanho reduzido torna-o ideal para me acompanhar nas minhas actividades físicas.

sexta-feira, 8 de outubro de 2010

Antevisão - Barcelona Março de 2011 (II)

Mariella Devia, interpreta de forma sublime a ária Al dolce guidame, da cena final da ópera Anna Bolena de Gaetano Donizetti.


Mário Vargas Llosa, Nobel da Literatura 2010 (II)


Apetecia-me passar numa livraria e comprar um "Mário Vargas Llosa" qualquer, como forma de comemoração do seu Nobel. Mas tenho um pouco de vergonha, não vá o(a) empregado(a) pensar que eu sou daqueles que só lêem um escritor depois dele ganhar um prémio. O que não é o meu caso (risos).


Há, no entanto, outra questão que me atormenta: Saberá o(a) empregado(a) da livraria que Vargas Llosa é o Nobel da Literatura deste ano?

Compro, ou não compro?

Thai International

Pedia-me o Paulo Olim do blogue Asas Madeira, que partilhasse aqui no Outras Escritas alguma fotografia do aeroporto de Atenas.

Não posso satisfazer este pedido porque estive pouco tempo no aeroporto e era ainda madrugada.

No aeroporto de Madrid captei, no entanto, esta fotografia que poderá ser interessante para os meus amigos entusiastas da aviação.

Atenção, a qualidade deixa muito a desejar, uma vez que me encontrava por detrás do vidro do terminal e com o zoom da minha modesta máquina compacta no limite.

quinta-feira, 7 de outubro de 2010

Mário Vargas Llosa, Nobel da Literatura 2010





Finalmente o merecido prémio de consagração.

Quero ler as "Travessuras da Menina Má". Alguém me empresta?

Aeroporto de Atenas (Acesso à Internet)

O acesso à Internet nos aeroportos é um tema que abordo muitas vezes com amigos e colegas. Sou de opinião que a Internet deve gratuita nestes locais uma vez que para usar um terminal de aeroporto, qualquer passageiro paga uma taxa (que é adicionada ao valor da passagem aérea). Ora se tal taxa permite que use as cadeiras das salas de espera, as casas de banho, os elevadores e as escadas rolantes, porque não inclui a utilização grátis de um serviço de acesso à Internet?

Claro que poderá ser contraposto o facto de, na mesma linha de pensamento, a utilização de telefones fixos ser também gratuita. No entanto, os custos associados a esse serviço são bem mais elevados que os associados a uma ligação de dados.

A solução encontrada para o aeroporto de Atenas, parece-me excelente. É oferecido um acesso Internet grátis durante 45 minutos.

quarta-feira, 6 de outubro de 2010

Momentos que felicidade... não se repetem.

Os leitores mais assíduos do Outras Escritas, lembrar-se-ão de um post que aqui publiquei em Agosto de 2008, relatando aquilo a que chamei "um momento de felicidade". Resumidamente falei de uma cidade que visitava quase por obrigação e que, contrariamente ao que previa, me surpreendeu pela positiva. Falo de Atenas, onde me encontro actualmente.

Referi na altura o Fresh Hotel, onde me hospedei, nomeadamente so seu bar que fica no terraço e que tem uma vista soberba sobre a cidade. O "momento de felicidade" surgiu inexplicavelmente quando aí me encontrava, tendo como companhia um livro, um copo de vinho tinto e uma família de franceses que me pediu para partilhar um dos sofás. Estava sozinho, longe de casa e num ambiente que não me era comum, mas o calor do verão, o pôr-do-sol, a Acrópole em fundo e toda a cidade de Atenas com a sua imensidão de edificios brancos, causaram-me um impacto que nunca esquecerei.

Curiosamente, escrevo este post no mesmo local. Estou no terraço do Fresh Hotel, tenho como companha não um livro, mas um computador e os franceses não estão cá, mas isso não fará muita diferença, uma vez que pouco falei com eles. Tudo muito semelhante a 2008...

E a sensação de felicidade?

Definitivamente não voltou... Será a chuva? A humidade excessiva? Ou terá sido o vinho que na altura me inebriou o pensamento?

Definitivamente não sei responder. Consigo, no entanto concluir que os momentos de felicidade são únicos e que, na realidade, não podemos tentar repeti-los artificialmente.

Depois disto, acho que vou pedir o meu segundo copo de vinho, comer qualquer coisa e depois dormir.
Acrópole (vista do bar do Fresh Hotel)

Atenas

Em Atenas, com perspectiva de greve geral para amanhã, data do meu regresso.

A ver vamos se não fico em terra...

terça-feira, 5 de outubro de 2010

segunda-feira, 4 de outubro de 2010

Outono...

Cansado dos dias deprimentes do Outono em que o sol teima em nascer mais tarde e a noite começa a chegar mais cedo, parto para a minha visita rápida a Atenas.

Atenas




Agitadamente em preparação da viagem a Atenas.

Obrigado

Obrigado ao Miguel Pestana por seguir o Outras Escritas.

domingo, 3 de outubro de 2010

Madeira Queimada

Visitei hoje as serras da Madeira, afectadas pelos incêndios do verão. O cenário é desolador...

Aqui ficam algumas fotografias.





sábado, 2 de outubro de 2010

O novo Outras Escritas

Já há algum tempo, tinha pedido ao meu amigo Jorge Abreu que é, entre outras coisas, web designer, que a partir da fotografia do cabeçalho do Outras Escritas, que mostra uma pequena azinheira no meio da imensidão da planície alentejana, desse um novo "ar" ao blogue.

O Jorge demorou muito tempo a responder ao meu pedido, mas foi-me sempre recordando que não estava esquecido e que mais dia menos dia, me apresentaria uma proposta.

Aconteceu hoje. Enviou-me a proposta de um novo design com novas cores, novas dimensões, e com uma nova perspectiva da imagem do cabeçalho. Não pensei duas vezes, aceitei imediatamente e sem fazer qualquer alteração ao design.

O resultado está à vista!

O trabalho ainda não está pronto. Durante os próximos dias farei uma revisão dos conteúdos da barra lateral por forma a que fique mais de acordo com o novo design.

Obrigado Jorge, demorou, mas valeu a pena a espera.

sexta-feira, 1 de outubro de 2010

Piero Visconti

No dia mundial da música, aqui fica a interpretação do Tenor Piero Visconti da ária Come uno spirito angelico da ópera Roberto Devereux de Gaetano Donizetti.


EasyJet em Lisboa


Agora é a EasyJet que anuncia Lisboa como a sua primeira base em Portugal.

Dia Mundial da Música